“Então, quem quer namorar a gorda?”

Outro dia, conversando com uma amiga gorda sobre adolescência e namoricos, confessei algo que hoje acho terrível: antes, quando eu gostava de alguém, me imaginava com a pessoa, criava cenas e situações de nós juntos, ou seja, sonhava acordada, assim como todo mundo fazia, né. Até aí tudo ótimo. Só que em todas essas fantasias eu não era eu; eu era uma versão magra de mim. A fantasia nunca acontecia no presente, mas dali a alguns meses, que seria o tempo de eu emagrecer. Toda vez que lembro disso tenho vontade de voltar no passado e abraçar a minha eu adolescente. Para minha surpresa, a minha amiga disse que fazia a mesma coisa. Conversei com outras amigas gordas e elas admitiram o mesmo. Aí concluí que nem na nossa imaginação, nós, mulheres gordas, somos livres para amar e sermos amadas.

pauta26-marinasader
Ilustração por Marina Sader a partir de foto do Projeto Cada Uma da modelo Jacqueline Jordão.

Primeiro de tudo: namorar, achar um par, a cara metade e essa coisa toda que crescemos acreditando, não é necessariamente a verdade absoluta. Namorar não é sinônimo de felicidade. A única pessoa que pode validar você, que “te completa”, “que pode salvar você” e que tem obrigação de te amar é você mesma. O amor próprio é o mais importante de tudo e um dos mais difíceis, ainda mais quando você é gorda ou fora de qualquer padrão. A gordofobia agride a gente todos os dias, ela está ao nosso redor o tempo todo, e se manter acima disso, conseguir passar por cima e ser feliz com você mesma do seu jeito é muito difícil, porém, fundamental. Dito isso, podemos, sim, ter desejos, vontades e sentimentos. Temos todo o direito de querer afeto. Independentemente da ideologia romântica que nos é enfiada goela abaixo, afeto é bom, é gostoso e se você quer ter isso, você tem todo o direito do mundo de alcançar esse objetivo, não importando o tamanho do seu corpo. Mas aí surge a pergunta: quem quer namorar a gorda?

Eu já ouvi mais vezes do que eu gostaria, inclusive da boca de amigos, a seguinte frase: “nada contra, mas eu não curto ficar com gordas, é uma questão de gosto, sabe?”. Galera que fala isso, deixa eu explicar uma coisa: o seu gosto não vem do nada, ele não é natural. Você não nasce só com vontade de pegar gente no padrão, esse padrão é construído. Crescemos achando o corpo gordo feio, indesejável, tendo uma neurose absurda de sê-lo. Isso é tão naturalizado que vocês falam “ai, não posso engordar”, “estou tão gorda, que péssimo” na frente de pessoas que de fato são gordas como se isso não fosse uma ofensa; como se falar “olha que bosta, meu corpo está ficando igual ao seu, quero morrer” fosse tranquilo e não vá afetar de modo algum quem está te ouvindo. Aí você quer virar pra mim e falar que não pega gente gorda por uma questão de gosto? Faça-me o favor.

gordaMais uma questão para refletirmos: vamos supor que o sujeito magro seja descontruído e passe por cima disso, mas ainda existem as pessoas em volta de vocês, a piada dos amigos, a reclamação da família, o preconceito nos olhares, e por aí vai. É bem impressionante como o amor é condicionado. Ele só é válido se for de uma tal forma, de um tal jeito, e a felicidade que é constantemente associada ao amor só alguns merecem ter. Porque, no fim das contas, essa é sempre a raiz do problema: os gordos não podem ser felizes nunca. Isso invalida a ordem das coisas no caminho para o pote de ouro da felicidade: só pode magra. Uma gorda feliz consigo mesma? Não pode, a gente vai oprimir até ela voltar a se odiar e querer entrar na fila da felicidade dos magros de novo. Demorou muito tempo para eu entender por que eu não conseguia transar com ninguém; por que tirar a roupa e ficar nua na frente do outro era tão assustador; por que ficar vulnerável era um risco diferente para mim; por que ir em uma boate e ficar sozinha em um canto enquanto todos os meus amigos estão com alguém não é minha culpa; por que não ter ninguém igual a mim em lugares assim não é coincidência; e, principalmente, por que eu mereço mais do que alguém que tenha vergonha de mim, e por que um relacionamento maduro e saudável é o mínimo aceitável. Migalhas nunca mais.

É importante lembrar que mesmo nós, gordos, não estamos imunes à visão gordofóbica das coisas. Ela é muito forte no mundo em que crescemos e vivemos. Até conhecer e me apaixonar por um gordo, eu de certa forma também torcia o nariz e me sentia nadando na hipocrisia. Óbvio que as atrações existem e não conseguimos criar uma onde não tem, mas dá para abrir a cabeça um pouquinho, cogitar pessoas e não as mandar direto para a pilha de pessoas impossíveis. É só dar uma chance para as coisas acontecerem; eu fiz isso e tive um relacionamento ótimo, até descobri que me sinto muito mais à vontade e confortável me relacionando com pessoas gordas.

adelePara mim, o amor é tão maior do que achar ou não uma pessoa bonita. Se apaixonar por alguém não é só se apaixonar pelo seu corpo, é se apaixonar pelo seu jeito, sua visão de mundo, seus pensamentos, sua risada. É tão mais coisa, e nós, gordas, não somos só o nosso corpo, somos pessoas completas e interessantes com muito a oferecer para os nossos companheiros. Porém, é sempre bom lembrar que não somos interessantes “apesar” de sermos gordas. Ser gorda faz parte do pacote e é lindo, porque isso faz da gente a gente. Para fechar, vamos recapitular que a primeira coisa mais importante de tudo é a gente se amar; a segunda é a gente se amar, e a terceira é sim, nós merecemos o amor que a gente quer e que nos faz bem, felizes e saudáveis, porque o amor é livre e é para qualquer um.

Originalmente publicado aqui.

54

Dani Feno, 26 anos. Quando era criança foi ao cinema ver Rei Leão a primeira vez e se apaixonou por essa coisa de ver filmes. Mais velha viu um seriado chamado Clarissa e pronto, a paixão passou para seriados também. Foi tão forte que agora trabalha em uma finalizadora de filmes e programas de TV, mas o que gosta mesmo é de editar vídeos para Capitolina. Gorda e feminista desde criança também (apesar de só saber que é esse o nome há pouco tempo). Acha que a melhor banda do universo é Arcade Fire e pode ficar horas te convencendo disso.

Anúncios

Pare de Culpar sua Amiga Pelo Relacionamento Abusivo Dela!

Sua amiga está em um relacionamento abusivo. Desesperada, você não entende como ela consegue ficar com aquela pessoa que faz tanto mal para ela. Poxa, ela costumava ser tão dona de si! Ela é tão bonita, tão inteligente, tem família, um emprego bacana. Na sua cabeça, ela só pode ser burra ou fraca para ficar com alguém assim. Você jamais deixaria barato…

13062393_586635058179238_5238489806745683175_n
Jout Jout!

Deixa eu te falar várias coisas que talvez não tenham passado pela sua cabeça.

 

Coisa 1: Culpar sua amiga não funciona!

Sua amiga está sofrendo. A última coisa que ela precisa é de (mais) alguém dizendo o quanto ela é fraca e burra por estar com uma pessoa dessas.

Quando a gente está em um relacionamento abusivo, é muito difícil perceber. Porque a gente gosta daquela pessoa, fica muito complicado entender que ele ou ela nos faz mal. A gente releva: “ah, ele nem sempre é agressivo”, “ela é tão carinhosa às vezes”.

Mesmo quando a gente percebe que está em um relacionamento ruim, sair dele parece impossível. Porque a pessoa acha que, se sair, não vai conseguir arrumar ninguém nunca mais, que deveria agradecer por alguém aguentá-la, que ela é um lixo, etc.

Quando você fala para a sua amiga que ela é fraca e burra por estar em um relacionamento abusivo, você confirma os sentimentos ruins que a relação alimenta na cabeça dela. E isso faz com que o namoro dela pareça o único espaço seguro no mundo – afinal, mesmo tendo “uns probleminhas”, ela tem alguém que a aceita e que, às vezes, trata ela bem.

Tenha mais empatia!

Coisa 2: A mulher é criada para servir.

Quando você era pequena, aposto que sua mãe já disse para ficar bem comportadinha, porque fazer malcriação é coisa de menino. Aposto que você ganhou bonecas e que era elogiada por ser uma menina quietinha, e que, se não era quietinha, levava bronca por isso.

Aposto que você já ouviu, quando sentou de pernas abertas, que menina não senta assim, e que sentiu, ao entrar na adolescência, que sua aparência não agradava os meninos de alguma forma. Isso para não dizer que você ajudou sua mãe e sua avó a colocar e a tirar a mesa de almoço de domingo enquanto os tios e primos assistiam TV.

11138502_958508010848006_7882289738093517622_n
A Culpa NUNCA é da Vítima!

Desde pequena, você foi ensinada a não dar escândalo. A não ser barraqueira. A não exagerar, seja na reclamação da cólica ou na denúncia daquele menino que te obrigou a ficar com ele na festinha do colégio (na qual, aliás, você não conseguiu dançar porque estava desconfortável demais de salto alto e saia curta).

 

Para sair na rua, você sempre pensa duas vezes antes de usar shorts, vestidos, saias, mesmo quando está um calor terrível. Você frequentemente usa jeans, também, para evitar olhares – não que isso ajude. Você foi coagida a aceitar e agradecer o que lhe foi dado (afinal, você é bem comportada).

Você também machuca sua pele e se expõe a doenças ao se depilar, entope os poros com maquiagem, passa algumas horas do seu dia cuidando dos cabelos, porque cabelo ruim não dá. Ah, e você precisava ter um namorado, afinal, é só disso que suas tias, avós e até sua mãe falam quando perguntam “e os namoradjenho?”.

E esse namorado não precisa ser perfeito, viu? Aliás, não pode escolher muito, senão fica pra titia. Tem que aceitar o que a vida te deu com tanto carinho. E, quando estiver namorando, tem que comparecer, senão a concorrência vence.

Não vou continuar com a lista, que é infinita. Mas, se você respondeu “sim” a algumas dessas perguntas, pare e pense: desde pequena, você é ensinada que deve ser submissa, obediente, comportada. Que não deve reclamar, porque a sua dor não é ruim o suficiente, e porque reclamar é falta de educação. E aí, voltando à amiga do relacionamento abusivo, como você pode chamá-la de burra e fraca, quando a submissão dela é a sua submissão, que foi ensinada e encorajada desde cedo?

Coisa 3: Poderia ser vocêzinha!

Empatia significa conseguir se colocar no lugar do outro e perceber que poderia ser você. Mas o bacana é conseguir fazer isso sem se colocar como uma super heroína à prova de tudo, que faria muito melhor, porque, afinal, você não é burra e fraca.

Frases como “se eu fosse você, nunca cairia nessa”, ou “eu, no seu lugar, dava um escândalo” soam extremamente depreciativas para a sua amiga em um relacionamento abusivo. Então, antes de soltar essas pérolas, pense: você faria isso mesmo? Sério? Seria tão invencível e racional que ignoraria o que você sente pelo(a) namorado(a) e cairia fora? Acho que não.

13346468_600741216768622_6963741821764411641_n
Feito pela Marina França!

Ninguém é de ferro. E quer saber? Tudo bem. Porque é justamente essa mania de dizer que somos fortes que mantém sua amiga em um relacionamento abusivo. Somos seres humanos e temos fraquezas, e um primeiro passo é admitir isso e procurar ajuda.

Coisa 4: Como ajudar de verdade?

Primeiro, mostre o vídeo da Jout Jout sobre relacionamentos abusivos. Ele é super didático e ajuda a entender que algumas situações são, sim, problemáticas, e que se sentir mal nelas não é exagero e nem culpa da sua amiga. Esse vídeo abre os olhos.

Depois, quando a sua amiga entender que está em um relacionamento abusivo, mostre que você pode dar apoio. Em vez de critica-la, abrace, diga que você está ali para qualquer coisa, que ela pode te ligar a hora que for. Esteja lá por ela: seja um ponto de referência fora do relacionamento. Mostre que o(a) namorado(a) não é a única pessoa que entende/aceita/quer ficar com a sua amiga.

Ajude a aumentar a autoestima dela. Quando ela fizer algo bacana, elogie. Aponte traços incríveis dela, sejam eles físicos, intelectuais ou da personalidade dela.

Enfim, seja uma aliada, e não uma inimiga.

Originalmente publicado aqui.

10427295_1018183911529205_1470080480251778858_nHelô D’Angelo é uma linda, apaixonante e está quase terminando jornalismo! Ultimamente anda estagiando na Revista Fórum e da Superinteressante, porque o futuro dessa mina é extraordinário!

Carta aberta aos homens com quem me relacionei

Hoje eu só posso pedir desculpas.

Desculpas a mim mesma por ter aceitado tão pouco.

Por ter aceitado suas migalhas, tão esporádicas.

Por me sentir sempre tão insegura ao teu lado, cada vez mais propriedade tua e menos

dona de mim.

Por não conseguir verbalizar minhas opiniões e por engolir tudo o que sentia, pra não te

incomodar, nem te irritar.

Por te colocar em um pedestal tão alto e longínquo de mim.

Por rir, sem graça, das tuas piadas racistas, por medo do que você iria dizer.

Por me calar todas as vezes em que você feriu meus sentimentos.

Por ser tão dependente emocionalmente de uma criatura que gostava tanto de me

agredir.

Por tentar emagrecer, só pra ver se você gostava mais de mim.

Por acreditar que tu gostava de mim.

Quando na verdade não gostava.

Quando tudo o que você queria era um troféu pra mostrar pros teus amigos,

Um status a mais na tua vida cheia de privilégios

Dos quais você nunca vai abrir mão.

 

Eu queria ter tido voz mais cedo.

Eu queria ter respondido quando você me insultou.

Queria ter defendido minhas ideologias e ter dito a você o quão mesquinho você é.

O quão infeliz você é por pensar que pode tratar mulheres como objeto.

E manipulá-las do jeito que bem entender.

Empoderar-me diariamente.

Empoderar minhas irmãs para que elas não passem pelo que eu tive que passar.

Para que não passem por nada pior.

Me amar.

Me amar acima de tudo.

E saber que, mesmo que minha militância seja pequena,

Mesmo que eu seja como uma formiguinha distribuindo minhas palavras,

Empoderar uma irmã, é me empoderar novamente.

É saber que não estamos nessa sozinhas.

E que não vamos mais aceitar tuas migalhas.

Nós já aprendemos a fabricar nosso próprio pão.

ame-se

Por Luciana Kasai, para o Eu, tu, elas.

Não somos só as netas das bruxas que vocês não puderam queimar.

Não somos só as netas das bruxas que vocês não puderam queimar. Também somos as netas das mulheres indígenas, que com a sua noção progresso, vocês tentaram, mas não conseguiram dizimar. Somos as netas das negras que vocês exploraram, violentaram e estupraram nas senzalas. Resistimos e sua força não foi capaz de afastar nossos Orixás e muito menos silenciou os nossos tambores. Nós somos as vozes da resistência, e ela vem em nosso próprio sangue. Não vamos desistir. Vocês não vão nos calar novamente.

Por Jessica Beauvoir, moderadora d’O Gato e o Diabo.
940859_545123098997101_4318787211418668069_n

Ei, moça! E se eu te contar que você é sim Feminista?

Quem somos, antes de tudo?

Mulheres, estudantes, batalhadoras, sonhadoras e que jamais desistem e baixam a cabeça! Somos milhares, andamos juntas!

O feminismo não é uma busca por privilégios ou concessões, mas sim uma luta por protagonismo. Nós mulheres queremos ter o direito de decisão para deixarmos de ser consideradas cidadãs de segunda classe. A nossa emancipação não será um conjunto de “concessões generosas” de homens, mas sim uma revolução no processo de tomada de decisões. Quando reivindicamos o direito de decidir, criticar e nos organizar estamos afirmando a nossa universalidade como sujeitos políticos.

O nosso feminismo luta por mudanças, por transformações e estas são possíveis apenas quando os indivíduos e em seguida a cultura assumem a necessidade de reeducar seus valores, quando assumem que necessitam de uma mudança brusca de mentalidade.

O feminismo já obteve muitos sucessos, mas ainda não rompemos a cultura política da concessão. Os nossos conquistados ainda não são expressão de um empoderamento, mas sim políticas de redução de danos.

Ser feminista não é bom ou ruim. Ser feminista é necessário. Não precisamos ir até o Oriente Médio para ver a sua necessidade. Não precisamos ir até tribos africanas. Não precisamos ir ao sertão do nordeste. Não precisamos ir até a periferia de São Paulo. Não precisamos nem ao menos sair dos nossos bairros. O famigerado machismo que delimita, que agride, que marginaliza, que ofende, que diminui, mora ao lado.

E agora, quem poderá nos defender? O feminismo!

O mesmo feminismo que nos tornou civilmente capazes e independentes diante da lei. O mesmo feminismo que nos deu o direito ao voto. O mesmo feminismo que segue lutando diariamente por uma sociedade mais justa e igualitária para mulheres, mães, filhas, trabalhadoras e homens também! É a hora de falarmos sobre igualdade entre meninos e meninas. É hora de falarmos que meninas podem jogar bola e ter carrinhos e que meninos podem cuidar de bonecas.

É como diz o lindo livro da nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie (leiam, ele é indispensável): Sejamos todos feministas. E o mundo será melhor a cada dia. Pode apostar!

Primeira postagem, feita com toda honra e amor do mundo, por Jessica Beauvoir, moderadora da página O Gato e o Diabo.

Imagem emprestada do Blogueiras Feministas.

Dicionário Houaiss da língua portuguesa: FEMINISMO: teoria que sustenta a igualdade política, social e econômica de ambos os sexos.

Dicionário Jurídico da Professora Maria Helena Diniz: FEMINISMO: movimento que busca equiparar a mulher ao homem no que atina aos direitos, emancipando-a jurídica, econômica e sexualmente.

feminismo-ideia-radical