Pare de Culpar sua Amiga Pelo Relacionamento Abusivo Dela!

Sua amiga está em um relacionamento abusivo. Desesperada, você não entende como ela consegue ficar com aquela pessoa que faz tanto mal para ela. Poxa, ela costumava ser tão dona de si! Ela é tão bonita, tão inteligente, tem família, um emprego bacana. Na sua cabeça, ela só pode ser burra ou fraca para ficar com alguém assim. Você jamais deixaria barato…

13062393_586635058179238_5238489806745683175_n
Jout Jout!

Deixa eu te falar várias coisas que talvez não tenham passado pela sua cabeça.

 

Coisa 1: Culpar sua amiga não funciona!

Sua amiga está sofrendo. A última coisa que ela precisa é de (mais) alguém dizendo o quanto ela é fraca e burra por estar com uma pessoa dessas.

Quando a gente está em um relacionamento abusivo, é muito difícil perceber. Porque a gente gosta daquela pessoa, fica muito complicado entender que ele ou ela nos faz mal. A gente releva: “ah, ele nem sempre é agressivo”, “ela é tão carinhosa às vezes”.

Mesmo quando a gente percebe que está em um relacionamento ruim, sair dele parece impossível. Porque a pessoa acha que, se sair, não vai conseguir arrumar ninguém nunca mais, que deveria agradecer por alguém aguentá-la, que ela é um lixo, etc.

Quando você fala para a sua amiga que ela é fraca e burra por estar em um relacionamento abusivo, você confirma os sentimentos ruins que a relação alimenta na cabeça dela. E isso faz com que o namoro dela pareça o único espaço seguro no mundo – afinal, mesmo tendo “uns probleminhas”, ela tem alguém que a aceita e que, às vezes, trata ela bem.

Tenha mais empatia!

Coisa 2: A mulher é criada para servir.

Quando você era pequena, aposto que sua mãe já disse para ficar bem comportadinha, porque fazer malcriação é coisa de menino. Aposto que você ganhou bonecas e que era elogiada por ser uma menina quietinha, e que, se não era quietinha, levava bronca por isso.

Aposto que você já ouviu, quando sentou de pernas abertas, que menina não senta assim, e que sentiu, ao entrar na adolescência, que sua aparência não agradava os meninos de alguma forma. Isso para não dizer que você ajudou sua mãe e sua avó a colocar e a tirar a mesa de almoço de domingo enquanto os tios e primos assistiam TV.

11138502_958508010848006_7882289738093517622_n
A Culpa NUNCA é da Vítima!

Desde pequena, você foi ensinada a não dar escândalo. A não ser barraqueira. A não exagerar, seja na reclamação da cólica ou na denúncia daquele menino que te obrigou a ficar com ele na festinha do colégio (na qual, aliás, você não conseguiu dançar porque estava desconfortável demais de salto alto e saia curta).

 

Para sair na rua, você sempre pensa duas vezes antes de usar shorts, vestidos, saias, mesmo quando está um calor terrível. Você frequentemente usa jeans, também, para evitar olhares – não que isso ajude. Você foi coagida a aceitar e agradecer o que lhe foi dado (afinal, você é bem comportada).

Você também machuca sua pele e se expõe a doenças ao se depilar, entope os poros com maquiagem, passa algumas horas do seu dia cuidando dos cabelos, porque cabelo ruim não dá. Ah, e você precisava ter um namorado, afinal, é só disso que suas tias, avós e até sua mãe falam quando perguntam “e os namoradjenho?”.

E esse namorado não precisa ser perfeito, viu? Aliás, não pode escolher muito, senão fica pra titia. Tem que aceitar o que a vida te deu com tanto carinho. E, quando estiver namorando, tem que comparecer, senão a concorrência vence.

Não vou continuar com a lista, que é infinita. Mas, se você respondeu “sim” a algumas dessas perguntas, pare e pense: desde pequena, você é ensinada que deve ser submissa, obediente, comportada. Que não deve reclamar, porque a sua dor não é ruim o suficiente, e porque reclamar é falta de educação. E aí, voltando à amiga do relacionamento abusivo, como você pode chamá-la de burra e fraca, quando a submissão dela é a sua submissão, que foi ensinada e encorajada desde cedo?

Coisa 3: Poderia ser vocêzinha!

Empatia significa conseguir se colocar no lugar do outro e perceber que poderia ser você. Mas o bacana é conseguir fazer isso sem se colocar como uma super heroína à prova de tudo, que faria muito melhor, porque, afinal, você não é burra e fraca.

Frases como “se eu fosse você, nunca cairia nessa”, ou “eu, no seu lugar, dava um escândalo” soam extremamente depreciativas para a sua amiga em um relacionamento abusivo. Então, antes de soltar essas pérolas, pense: você faria isso mesmo? Sério? Seria tão invencível e racional que ignoraria o que você sente pelo(a) namorado(a) e cairia fora? Acho que não.

13346468_600741216768622_6963741821764411641_n
Feito pela Marina França!

Ninguém é de ferro. E quer saber? Tudo bem. Porque é justamente essa mania de dizer que somos fortes que mantém sua amiga em um relacionamento abusivo. Somos seres humanos e temos fraquezas, e um primeiro passo é admitir isso e procurar ajuda.

Coisa 4: Como ajudar de verdade?

Primeiro, mostre o vídeo da Jout Jout sobre relacionamentos abusivos. Ele é super didático e ajuda a entender que algumas situações são, sim, problemáticas, e que se sentir mal nelas não é exagero e nem culpa da sua amiga. Esse vídeo abre os olhos.

Depois, quando a sua amiga entender que está em um relacionamento abusivo, mostre que você pode dar apoio. Em vez de critica-la, abrace, diga que você está ali para qualquer coisa, que ela pode te ligar a hora que for. Esteja lá por ela: seja um ponto de referência fora do relacionamento. Mostre que o(a) namorado(a) não é a única pessoa que entende/aceita/quer ficar com a sua amiga.

Ajude a aumentar a autoestima dela. Quando ela fizer algo bacana, elogie. Aponte traços incríveis dela, sejam eles físicos, intelectuais ou da personalidade dela.

Enfim, seja uma aliada, e não uma inimiga.

Originalmente publicado aqui.

10427295_1018183911529205_1470080480251778858_nHelô D’Angelo é uma linda, apaixonante e está quase terminando jornalismo! Ultimamente anda estagiando na Revista Fórum e da Superinteressante, porque o futuro dessa mina é extraordinário!

Seu feminismo acolhe as mães?

13445675_605334102976000_2450825139618696984_nA mulher dessa foto é Daniele Toledo. Ela tinha 21 anos quando tudo aconteceu. Na época era bem humilde, e tinha dois filhos, um menino de 3 anos e de uma menina bebê chamada de Vitória Maria.
Seu martírio começou na noite de 28 de outubro de 2006, em um sábado. Daniele tentou levar sua filha Vitória para o Hospital Universitário de Taubaté, na época administrado pela Fundação Universitária de Saúde de Taubaté (Fust). A menina sofria de problemas de saúde, nunca diagnosticados com precisão, desde o nascimento.
A gravidez da Vitória foi complicada e ela acabou nasceu prematura, só retornando para casa com 2 meses e meio de idade. Mas logo começou a ter febres convulsivas e a partir do sexto mês o quadro se agravou muito. Entre idas e vindas, até sua morte, foram oito vezes em que ela ficou internada na UTI.
Naquele sábado, entretanto, por uma estranha ordem administrativa, a instituição médica não aceitou a menina, então acabaram indo para o Hospital Municipal Infantil.
Daniele não foi aceita com a filha no Hospital Universitário, já que em uma das noites em que passava na instituição com sua filha, foi estuprada por um estudante do curso de Medicina.
Sem opções, passaram a noite no hospital municipal. Vitória depois de muita luta, não resistiu, depois de 3 paradas cardiorrespiratórias.

danieletoledo-20100922Durante a segunda parada cardíaca de Vitória, Daniele foi presa em flagrante. Não teve nem um último contato com a filha, não viveu o luto. Saiu do hospital chorando, algemada, direto para a delegacia sem nem entender o que tinha acontecido, sem saber direito se sua filha estava realmente morta.A partir de um teste rápido os policiais concluíram precipitadamente que existiam indícios de cocaína na mamadeira, incriminando Daniele. No mesmo dia, parte da imprensa veiculava o caso, acusando-a injustamente de “o monstro da mamadeira”.Daniele enfrentou camburão, delegacia e cadeia pública. Foi levada a um presídio na cidade vizinha sem nem ao menos um julgamento, no qual foi espancada por outras detentas após descobrirem a falsa acusação através de um programa local de televisão. Adquiriu assim várias sequelas graves, que penduram até hoje: perda a visão e da audição do lado direito do corpo, sendo reduzida a capacidade de movimento do mesmo lado, além de ter constantes convulsões.
Permaneceu cerca de quarenta dias presa.
Quando o resultado dos testes saíram, sua situação finalmente mudou: foi finalmente comprovado que o pó era na verdade era um medicamento para a doença rara que sua filha tinha.
Daniele ainda move duas ações, e em ambas pede indenização. Uma, contra o Estado, por causa da injusta prisão, espancamento e de toda dor que sofreu. A outra, contra a Fust, por causa do episódio de violência sexual. O estuprador, na época estudante de medicina, nunca foi punido devido a “falta de provas” (Daniele não foi nem ao menos submetida a exame de corpo de delito, sua denúncia foi considerada “irrelevante”). Hoje o sujeito exerce sua “honrada profissão” normalmente, e sua identidade até o momento não foi nem revelada.
613056-970x600-1DIFERENTEMENTE DE DANIELE, O AGRESSOR SEXUAL NÃO TEVE DESCONFIANÇA POR PARTE DO ESTADO, que permaneceu incrédulo ao seu lado, desde o princípio.
Em agosto o caso completa 10 anos e mesmo a moça tendo provado sua inocência judicialmente, não consegue nem ao menos “provar isso para a sociedade”. Arrumou vários empregos, mas era demitida instantaneamente, logo após descobrirem seu caso. Seu filho mais velho hoje é adolescente, e Daniele é impedida de frequentar reuniões escolares e acompanhar o rapaz em suas atividades. Também não consegue ir a ambientes públicos pois é frequentemente reconhecida.
Além de sequelas físicas, Daniele toma remédios para tratar depressão e síndrome do pânico adquiridas após os acontecimentos.
Aos 31 anos, desempregada e morando de favor, seu livro contando sua vida sofrida foi lançado na primeira quinzena de junho intitulado “Tristeza em Pó”.
As causas da morte de Vitória até hoje permanecem desconhecidas, pois foram tratadas com descaso após Daniele ser inocentada (ela acredita que a menina morreu devido a negligência médica).
A história de Daniele é apenas uma das milhares que existem, de várias mulheres, que são vítimas da violência misógina estatal, que está se tornando cada vez mais visível, e não será mais ignorada.
Ela não será calada. Nós não seremos caladas.
Nenhuma será deixada para trás.
Seguiremos nossa luta, juntas.
Força Daniele, você não está sozinha!

11219315_1016161151749358_4409559085983191388_n

Por Jessica Beauvoir, idealista, feminista, completamente apaixonada por gatos. Cuida d’O Gato e o Diabo e continua não desistindo do Assistência Jurídica para as Minas.

“Inocentada da morte da filha de 1 ano, mãe narra sequelas da prisão.”  – Via Folha de S.Paulo.
“Mãe acusada de matar a própria filha relata injustiça em livro.”  – Via Livraria da Folha.
‘A médica disse que eu tinha matado a minha filha’ – Via Estadão.

Vem forte gente, que eu sou do Norte!

Quando eu era criança a grande maioria dos meus amiguinhos, tinha vergonha de dizer que era de Rondônia, eu nunca entendi bem o porquê.

Tinha um ditado que o meu pai costumava dizer que eu sempre fui um pouco contra. “Filho de gato, que nasce no forno é gatinho, ou é forninho?!” Desculpa pai, não sou gatinho, sou forninho. Não sou goiana, e nem de Campo Grande.

Pai, eu sou rondoniense. E sou por vocação e não por escolha. Ainda porque se pudesse escolher, ia escolher ser rondoniense de novo.

Não, a minha cidade de Porto Velho não é grande. Ela é pequena pros aspectos brasileiros, muito embora, pros aspectos europeus ela tenha sozinha, a população de muito país famoso por aí…

389102_2421669854828_1822321538_n
Ô amor!

Por falar em fama, a única fama que ela tem é de ser feia. Infelizmente não tem muita coisa em termos urbanísticos que eu possa falar a esse respeito.

Ela já era uma cidade humilde e com muitas dificuldades no ano de 2008 quando disseram pro meu povo que duas usinas hidrelétricas iam trazer o progresso, ia trazer empregos e ia deixar legados… Não trouxe progresso, trouxe empregos temporários e deixou muitos legados e infelizmente eu não consigo ver nenhum que seja bom…

Alagou uma área que afetou meus povos indígenas, kanindé, uru eu wau wau, karitiana e tantos outros povos que nem contato com o homem branco tinha tido ainda.

Tirou o sustento dos meus povos ribeirinhos e os indenizou mandando-os para conjuntos habitacionais longe do Rio.

Olha, eu nem nasci na beira do rio, e já tenho dificuldade se viver sem ele, imagina esse meu povo…

Porque o estudo de impacto ambiental não previu os 22% de pessoas que o excederiam. Meu povo passou de 380 mil para 490mil. Praticamente assim, da noite pro dia.

Minha cidade ruiu, o trânsito enlouqueceu e o meu povo anda sofrido.

Como se não bastasse no ano de 2014 houve a maior cheia dos últimos 104 anos que o governo gosta de dizer que foi um fenômeno natural completamente natural e que as usinas não o influenciaram em absolutamente nada.

Vocês vão me desculpar, mas eu não acredito, nem hoje, nem nunca.

Vi doze bairros ficarem debaixo d’água. Vi mais de 17 mil pessoas entre a Bolívia, entre os distritos e municípios e Porto Velho ficarem sem teto.

185766_197397426954751_8277702_n
Existe por-do-sol mais lindo? Impossível.

E mais de 100 mil de nós ficaram sem água potável.

Vi os nossos patrimônios materiais e imateriais boiarem nas águas lamacentas do Madeira…

E a o pátio da minha ferrovia preferida afundar junto com as suas locomotivas.

Eu vi o meu povo pagar com o próprio sangue o preço das promessas descumpridas…

Detalhe, a nossa energia não ficou mais barata, pelo contrário, só ficou mais cara.

E eu aqui de longe, buscando um futuro melhor não pude nem ajudar a juntar os pedaços, só chorar.

Eu queria dizer pra vocês que o meu povo é forte, é lindo, são pessoas de verdade, que sofrem, sangram e pagam pelo bem-estar do Sudeste e do Centro-Oeste. Enquanto a nossa região é esquecida e nosso choro não é ouvido.

Moço, eu não tenho jacaré e onça de estimação, mas guardo no meu coração a força da queda do Santo Antônio que destruíram. E eu sei que ela mora no coração de todos os portovelhenses que amam aquele lugar.

Vem forte gente, que eu sou do Norte! E não me calo, e eu não me esqueço.

Pra Porto Velho, só muita dor. E saudades.

416971_260967900651531_854237438_nAnie Line é uma linda formada em Arquitetura e Urbanismo UniCeub. Atualmente mora em Brasília, mas mora na nossa cidade Porto Velho, que mesmo com todos os defeitos do mundo, é quem nem coração de mãe, sempre cabe mais um.

A cultura do estupro

Não podemos perder tempo disputando a realidade. Um ato sexual que acontece sem o consentimento de uma das partes envolvidas é um estupro. Sempre.

“Uma rosa, por qualquer outro nome, teria o aroma igualmente doce.” Este trecho de Romeu e Julieta, a peça famosa de William Shakespeare, é frequentemente referenciado em artigos e debates sobre o peso e a volatilidade da linguagem.

Na cena em que esta fala se dá, Julieta – uma Capuleto – argumenta que não importa que Romeu seja um Montéquio, pois o amor que sente é pelo rapaz, e não por seu nome. A beleza da citação é o que ela implica: os nomes que damos às coisas não necessariamente afetam o que as coisas realmente são.

“Estupro, por qualquer outro nome, seria uma ação igualmente violenta.” Seria. Mas, ao contrário das rosas – que reconhecemos como rosas, por isso chamamos de rosas –, relutamos em reconhecer quando um estupro é estupro para poder então chamá-lo de estupro.

Estupro é a prática não consensual do sexo, imposta por violência ou ameaça de qualquer natureza. Qualquer forma de prática sexual sem consentimento de uma das partes, envolvendo ou não penetração, configura estupro.

Se aceitarmos que esta é a definição de estupro, quantas já sofremos um, e quantos já cometeram um? Garanto que muita gente.

Consentimento é um conceito-chave para compreendermos e admitirmos que existe uma diferença entre sexo e estupro. Sexo é consensual, e se for adiante sem consentimento, deixa de ser sexo e passa a ser estupro.

A pessoa pode estar embriagada, vestida de forma sensual, pode já ter indicado querer sexo, pode estar nua e na cama e até mesmo já ter iniciado o sexo. No momento que ela declara não querer sexo, ou querer interromper o sexo, a ação deve parar. (E vale ressaltar que a ação não deve nem começar se a pessoa não estiver em condições de dizer sim…).

930501a0-47ec-4250-95a7-8dc078090956
É machismo duvidar das mulheres por partir do pressuposto que uma declaração sobre estupro é falsa.

Precisamos levar a sério a asserção de que qualquer ato sexual que ocorre sem o consentimento de uma das partes envolvidas é um estupro. Apenas o sexo praticado com o consentimento das partes envolvidas pode ser chamado de sexo.

O ato sexual praticado sem consentimento não é sexo: é violência. É estupro. Não pode ser tão difícil que concordemos a este respeito. Se quando um não quer dois não brigam, quando um não quer dois não transam. Isso não é complicado de entender.

Ainda que a prática vitime homens e mulheres, historicamente as mulheres são as mais atingidas. A permanência deste padrão é garantida pelo que chamamos de cultura do estupro.

A violência contra a mulher é concreta, sistemática e balizada por números reais e dados científicos que são publicados por organizações competentes e sérias. O feminismo se ocupa, dentre outras coisas, de revelar esta violência com o intuito de reduzi-la – de extingui-la.

Que gastemos tempo disputando quais narrativas que articulam como a luta feminista contra a violência são mais ou menos eficazes é compreensível. Mas é uma perda total de tempo e energia disputar a realidade que fomenta estas narrativas.

Nossa realidade é a iniquidade, e tornar visível a ameaça constante da violência que mantém essa desigualdade (violência cujas manifestações mais agudas são o estupro e o feminicídio), é o que faz o feminismo.

Não deveríamos desperdiçar nenhum segundo evidenciando o que já está provado, mas, infelizmente, ainda precisamos fazer isso. É preciso que a sociedade passe a acreditar no que dizem as mulheres, e é urgente pararmos de disputar se estupro é ou não estupro. É sexo sem consentimento? É estupro.

A cultura do estupro é a cultura que normaliza a violência sexual. As pessoas não são ensinadas a não estuprar, mas sim ensinadas a não serem estupradas.

Cultura do estupro é duvidar da vítima quando ela relata uma violência sexual. É relativizar a violência por causa do passado da vítima ou de sua vida sexual. É ser mais fácil acreditarmos em narrativas de uma suposta malícia inerente das mulheres do que lidarmos com o fato de que homens cometem um estupro.

A cultura do estupro é visível nas imagens publicitárias que objetificam o corpo da mulher. Nos livros, filmes, novelas e seriados que romantizam o perseguidor. No momento que acatamos como normal recomendar às meninas e mulheres que não saiam de casa à noite, ou sozinhas, ou que usem roupas recatadas.

Todas essas ações revelam o que chamamos de cultura de estupro porque todas normalizam que a responsabilidade pelo estupro é da vítima. Não é. O protagonista do estupro é o estuprador.

A cultura do estupro é machista, e o machismo cria e mantém a cultura do estupro. É machismo partir do pressuposto de que o que uma mulher revela sobre estupro é invenção. É machismo duvidar das mulheres por partir do pressuposto que uma declaração sobre estupro é falsa.

Na cultura machista que sustenta a cultura do estupro, a voz das mulheres é tomada como dissimulação. Na cultura machista as mulheres são malignas (olá Eva, bruxas e súcubos do imaginário coletivo), e os homens são eternas vítimas de nossas calúnias.

Mas os números não mentem, e se a manutenção da lógica machista depende da fantasia, o feminismo aponta para a realidade.

06e3ef25-bffe-4f13-8127-16944a3b014a
Machismo mata.

Você conhece um estuprador? Eu conheço pelo menos três. Moços “de bem”, de família, que chegaram a frequentar a minha casa e que, por causa da cultura do estupro, acharam que fazer sexo em (não “com”, “em”) três amigas minhas enquanto elas dormiam porque estavam embriagadas era aceitável.

Elas estavam bêbadas. Elas estavam de roupas curtas. Mas elas definitivamente não estavam pedindo. Acreditar que elas estavam pedindo sexo por estarem alcoolizadas ou vestidas de um ou outro jeito é sucumbir à cultura do estupro.

Cultura de estupro é assunto de todos. Estupro é uma violência, e uma violação grave dos direitos humanos que atinge mulheres desproporcionalmente. Precisamos falar sobre cultura de estupro. Precisamos falar sobre machismo. Precisamos falar sobre misoginia. Precisamos falar sobre cultura patriarcal. Estas coisas estão conectadas. E precisamos falar sobre elas.

O feminismo existe bastante porque a voz das mulheres e as nossas falas são tão desvalorizadas socialmente que é preciso um movimento – militante e teórico – para dar conta de articular a realidade de forma convincente para uma sociedade propensa a não acreditar em nós.

Precisar explicar que qualquer ato sexual que acontece sem consentimento é estupro,ad infinitum, é evidência da permanência da cultura do estupro.

É exaustivo disputar a realidade com quem não quer enxergá-la porque não é diretamente afetado por ela. Por isso precisamos revelar que existe, sim, uma cultura que normaliza o estupro e a violência contra as mulheres. Falar é uma ação, denunciar o machismo é uma ação, revelar a misoginia é uma ação.

Pois falemos, então, com a linguagem adequada. A cultura do estupro existe e é visível, e sexo sem consentimento é estupro, ainda que alguns relutem em admitir isso. Mas uma rosa, por qualquer outro nome…

 

12316621_10156312964710068_5425964561407265867_nA linda e apaixonante Joanna Burigo é fundadora da Casa da Mãe Joanna e mestre em Gênero, Mídia e Cultura, de quebra é colunista da Carta Capital, onde o texto foi publicado originalmente em 2 de junho de 2016.

16 formas de combater a cultura do estupro

A cada 11 minutos, uma pessoa denuncia um estupro no Brasil. 88,5% das vítimas de estupro são mulheres. 50,7% das vítimas de estupro tem menos de 13 anos. A previsão mais pessimista estima que apenas 10% dos estupros são notificados no Brasil. A mais “otimista”, aponta que cerca de 35% dos estupros são denunciados formalmente.

O estupro é um crime extremamente subnotificado e pouquíssimos casos resultam em condenação. Isso em qualquer lugar do mundo. E por que esse é um crime tão pouco denunciado? A revitimização da vítima que tem sua vida exposta e sofre com julgamentos que a culpam pela violência que sofreu é um ponto que influencia bastante nesse fenômeno.

A revitimização acontece em vários momentos: no atendimento na delegacia e no hospital, no judiciário, nas notícias que são escritas focando na vida íntima da vítima e nas falas da sociedade, em geral. E isso pode ser algo combatido por todos nós. Que tal repensarmos nossos discursos e ações?

1) Parar de dividir mulheres entre as boas e as vadias.

12347800_527025127473565_7499282869428026073_n
Nem puta, nem santa, só mulher.

Dividir as mulheres em grupos se baseando no comportamento delas é uma forma de perpetuar a ideia de que algumas mulheres merecem sofrer violência sexual ou que as personalidades e hábitos das vítimas sejam vistos como justificativa pela violência que sofreram. Mulheres com vida sexual ativa, que frequentam boates e bares, que bebem, que usam roupas curtas, fumam, tem tatuagens, falam palavrões são consideradas menos dignas de respeito e são chamadas por muitos de vadias, vagabundas e outros termos correlatos. Todas as mulheres merecem respeito e essa divisão ajuda a manter como vigente uma ideia contrária ao respeito a todas.

2) Abandonar o uso de frases como “cu de bêbado não tem dono”.

Sim, uma frase comum como essa reproduz conceitos problemáticos sobre consentimento. É importante lembrar que não é possível consentir com o ato sexual estando desacordada ou incapaz de oferecer resistência. Uma pessoa que está alcoolizada ou drogada e perde o controle de suas faculdades mentais durante esse período não está apta a consentir. Violar o consentimento nesse caso consiste em estupro de vulnerável.

Ou seja, se você ouvir ou ler alguém falando algo como “Você quer transar com essa moça? É só embebedá-la que ela vai ficar facinha”, se manifeste, repudie. Deixe claro que não é algo legal, pelo contrário, é um ato criminoso.

3) Não assediar mulheres na rua e nem na internet. Não naturalizar o assédio.

O assédio nas ruas acontece através das “cantadas”. Muitos alegam que elas são elogios, mas é preciso alertar aqueles que tem o hábito de assediar e os que justificam esse assédio que a grande maioria das mulheres se sente incomodada, intimidada, constrangida e muitas vezes amedrontadas com essas falas.

O assédio virtual consiste em elogios agressivos, inconvenientes, envio de imagens de pênis não solicitadas e outras práticas como essas e incomodam e constrangem as mulheres.

Em ambas as situações, as mulheres são vistas como objetos e são invadidas com abordagens incômodas de desconhecidos ou conhecidos que não tem intimidade para tanto. Parece algo pequeno, mas não é, porque o assédio é consequência dos corpos das mulheres serem vistos como disponíveis para serem avaliados.

4) Não culpar a vítima.

12631546_545374735638604_8152166603112859964_n
A culpa NUNCA é da vítima. Quando vocês vão entender isso?

A culpabilização da vítima expõe a vida da vítima, relativiza o ato do agressor e ignora que estupro não é algo que se justifica. Os julgamentos feitos do comportamento da vítima se baseiam em machismo: comentam sobre a roupa que a vítima usava, onde ela frequentava, a vida sexual dela, o horário em que ela estava fora de casa. Nada disso importa, porque a mulher deve ser livre e viver sua vida como bem entender. Julgar o comportamento da vítima e culpá-la pela violência que sofreu é retirar o estuprador do foco, sendo que ele é o criminoso e desacreditá-la.

5) Parar de falar coisas como “meu time estuprou o seu”, quando ele perder feio.

Estuprar não significa vencer, conquistar, ter um resultado incrível. Estuprar é um crime que fere a dignidade da vítima e não pode ser usado como uma metáfora de algo bom. Usar um termo que significa um ato de violência dessa forma é de uma falta de empatia tremenda e esvazia o significado da palavra como crime. Na verdade, pare de usar “estuprar” como metáfora para qualquer coisa, porque isso tira o foco do crime e banaliza a palavra.

6) Não fazer piadas sobre estupro.

1377959_305901696219197_16055742_n
Gente que sabe que “piadas” de estupro não são engraçadas.

Não é engraçado, é uma falta de empatia tremenda e contribui para que a palavra e o ato sejam relativizados. As “piadas” geralmente se baseiam em “ela gostou” ou diminuem o ato como violência. Além disso, pessoas que querem ser engraçadas muitas vezes usam a ideia de que a mulher considerada feia por não estar nos padrões deve se sentir agradecida por alguém ter, por alguns momentos, a desejado. Esse discurso já foi usado até mesmo por deputado em Plenária para deslegitimar uma deputada. “Como alguém ia querer estuprar uma mulher tão feia?” e frases correlatadas ofendem a vítima e atuam também como uma forma de desacreditá-la. Nesse ponto é importante deixar claro que o estupro é um crime motivado pelo poder, pela violência, pela ideia de que o outro é inferior e não por desejo.

7) Parar de falar coisas como “ela tá precisando é de rola, alguém precisa dar um jeito nela, hein?” e “mal comida”.

Colocar o sexo com um pênis como algo que corrige uma característica considerada negativa numa mulher é reproduzir a lógica de correção através da punição. As mulheres que se relacionam com outras mulheres sofrem com uma violência específica chamada estupro corretivo e frases como essas reiteram a ideia-base dessa agressão. Essa violência específica se baseia na ideia de que o estupro faria a vítima parar de se relacionar com outras mulheres. Mulheres heterossexuais também podem ser vítimas de estupro corretivo, mas o viés é outro tipo de correção.

 8) Ensinar sobre consentimento para as crianças.

Desde a mais tenra infância é necessário ensinar noções de consentimento para crianças. Isso ajuda a criança a identificar a violência, caso aconteça com ela e também a evitar que elas cresçam sem noção sobre os limites do outro.

É importante que as pessoas parem de naturalizar violações de consentimento cometidos por meninos com frases como “esse é meu garanhão”. Repreenda a criança que beije seus coleguinhas sem que eles permitam, que mexam na saia de uma mulher, que toquem o seio de mulheres.

Dica: leiam o texto “30 maneiras de ensinar crianças noções de consentimento”.

9) Entender a importância e apoiar/lutar pela educação que combata o machismo e demais preconceitos.

A educação é uma forma de enfrentar o machismo desde cedo e combatê-lo. Através dela, é possível desconstruir a ideia de que meninos tem que ser garanhões, dominadores e meninas tem que ser quietas e passivas. Quebrar essa lógica é bater de frente com ideias como “prendam suas cabritas que o meu bode está solto” e contribui até mesmo na luta contra a homofobia e lesbofobia, já que a socialização do homem garanhão se baseia também na heteronormatividade e no futuro resulta no apagamento e invisibilidade da sexualidade lésbica, por exemplo.

10) Entender a importância e apoiar/lutar pela educação sexual de qualidade e focada no consentimento.

A educação sexual deve ser voltada a ensinar não só sobre prevenção de gravidez e doenças sexualmente transmissíveis, ela deve ensinar também noções de consentimento e a identificar a violência sexual.

11) Entender que projetos de lei que tentam dificultar o atendimento a vítima de violência sexual e a possibilidade de aborto faz parte da cultura do estupro.

Obrigar uma mulher a seguir com uma gravidez fruto de um estupro é uma revitimização. Dificultar que ela consiga abortar, caso queira, também. Além disso, colocar a necessidade do boletim de ocorrência acima dos cuidados quanto à saúde, como o Projeto de Lei 5069/13 quer, é de uma misoginia tremenda, já que isso se baseia em desacreditar a vítima e não em garantir a dignidade dela. Leia a entrevista com um obstetra especialista no aborto legal.

12) Combater a ideia de que o corpo da mulher é público.

Uma mulher acompanhada de um homem é vista como propriedade dele, disponível para ele. Uma mulher sozinha é vista como disponível para todos. Isso é objetificação, desumanização.

É preciso parar de naturalizar comportamentos como: durante uma investida numa mulher, insistir bastante ao ouvir apenas a negativa e só desistir se ela falar que tem namorado, está acompanhada. Mulheres tem direito a dizer não, mesmo solteiras, desacompanhadas. Respeitem o não sempre.

Além disso, pequenas coisas como “não tocar na barriga de uma grávida sem consentimento” já são formas de ir contra essa ideia. A mulher já é vista como propriedade de todos, a mulher grávida mais ainda. Não assediar mulheres, através de cantadas, também.

13) Não aceitar a naturalização do “quero uma novinha”.

1375071_308074489335251_1378299682_n1
Gente que sabe que a “novinha” é uma criança.

A cultura de valorizar as “novinhas” é perigosa porque ignora que, segundo a lei, é estupro de vulnerável se relacionar sexualmente com menores de 14 anos. A lei considera que nessa idade, a pessoa é incapaz de consentir. Essa cultura é reiterada em diversas músicas populares, como “Nosso Sonho” do Claudinho e Bochecha e na pornografia.

14) Entender que estupros não ocorrem só entre desconhecidos.

Estupros ocorrem não só entre desconhecidos, num beco, de noite. Eles ocorrem muitas vezes dentro de casa, entre conhecidos, familiares e até namorados/esposos. O estupro cometido pelo companheiro é conhecido como “estupro marital” e é constantemente esquecido quando falamos sobre o assunto.

Em apenas 52 países, o estupro marital é um ato punível. Isso acontece porque a mulher é vista como propriedade e o sexo como uma obrigação conjugal. O estupro marital foi reconhecido pela ONU como uma violação de direitos humanos só em 1993. No Brasil, essa violência está incluída na Lei Maria da Penha.

15) Repensar o seu consumo de pornografia.

Sim, a indústria pornográfica reproduz a cultura do estupro com vídeos cada vez mais violentos em que não se percebe bem se o sexo é consentido ou não. Vídeos de estupros são listados em vários sites como vídeos pornográficos, porque a humilhação e a agressividade são colocadas na pornografia como lugares comuns do sexo. Lembrando que a pornografia é vista como uma educação sexual, principalmente para meninos e eles crescem com essas noções deturpadas do que é sexo.

16) Abandonar ideias como “espero que o estuprador vire mulherzinha na cadeia”.

O estupro não pode ser visto como uma forma de corrigir/punir, nem mesmo se essa lógica ir contra o estuprador. Isso ajuda a manutenção da cultura do estupro. Além disso, usar “virar mulherzinha” como sinônimo de ser estuprado diz muito sobre como nossa cultura vê a mulher como inferior e o corpo feminino como disponível.

Imagem de Indiretas Feministas e d’O Gato e o Diabo.

Veja o vídeo “De 30 não salva 1” do Canal Tititias aqui. O vídeo fala sobre como estupradores não são monstros/doentes/raras exceções.

Nota do Ativismo de Sofá sobre o “nem todos os homens”.

Texto de Thaís Campolina com contribuição de Kel Campos, do Ativismo de Sofá.

Originalmente publicado aqui.

Mulheres indígenas e as formas modernas de violência contra a mulher

Apesar da música cantada por Baby do Brasil, sabemos que pouquíssimos dias são dias de índio. Cada vez mais ameaçados, acuados e tendo sua imagem constantemente representada como símbolo do atraso ou da ganância humana, os povos indígenas brasileiros são cada vez mais invisibilizados. Até mesmo neste blog, geralmente só falamos das mulheres indígenas em datas específicas. Porém, é um exercício para mim ir atrás das informações que não estão nas principais capas dos portais.

Cena do Documentário 'As Hiper Mulheres' que mostra um famoso ritual de canto feito apenas por mulheres da tribo indígena Kuikuro. O filme faz parte do projeto 'Vídeo nas Aldeias', criado por Vincent Carelli para introduzir a produção cinematográfica nas aldeias indígenas brasileiras.
Cena do documentário “As Hiper Mulheres” que mostra um ritual de canto feito apenas por mulheres da tribo indígena Kuikuro. O filme faz parte do projeto “Vídeo nas Aldeias“, criado pro Vicent Carelli para introduzir a produção cinematográfica nas aldeias indígenas brasileiras.

Tâmara Freire, no inicio desse mês, comentou sobre algo que chamou minha atenção: mulheres de tribos indígenas do Xingu estão desenvolvendo um projeto para discutir a violência contra as mulheres, vivenciada por elas com a objetivação de seus corpos e exibição não consentida de suas imagens.

A internet chegou as aldeias indígenas. E junto veio a pornografia. Os homens passaram a produzir imagens das mulheres xinguanas e compartilhá-las, sem o consentimento das próprias. O projeto ‘Yamurikumã Na Luta Por Seus Direitos’ tem como objetivo dar voz as mulheres do Xingu e, nesse caso específico, conscientizar os homens sobre os danos provocados pela divulgação de imagens das mulheres nas redes sociais.

Culturalmente, no Xingu, a nudez não é vista de forma agressiva, nem erótica. Há vários momentos em que integrantes da comunidade ficam nus ou participam de rituais e danças nus. Os próprios homens indígenas que compartilham as imagens passam a maior parte do tempo nus, mas não são expostos. No caso das mulheres, as fotos e vídeos são muitas vezes utilizados para difamar e prejudicar a imagem da mulher xinguana.

facebook-yamurikuma-1-2
Associação Yamurikumã: fortalecendo as mulheres do Xingu!

A partir da divulgação em redes sociais, pessoas de fora das comunidades tem acesso as imagens e passam a utilizá-las de diversas formas, muitas vezes desrespeitosas em relação as mulheres e as diferentes culturas indígenas. Isso tem sido mais uma forma de violência para as mulheres indígenas, que se veem excluídas de todo esse processo e ainda enfrentam o que é dito e feito com sua imagem. Numa matéria de Tâmara Freire para a Rádio EBC, Kaiulu Ialacuti conta que alguns povos chegaram ao ponto de cobrir as partes íntimas das meninas e adolescentes, durante cerimônias das quais elas tradicionalmente participam nuas, para evitar a produção de imagens erotizadas.

Relatos das mulheres indígenas também apontam uma frequência de comentários misóginos e violentos nas redes sociais. Como exemplo, contam que pegaram um trecho do documentário ‘As Hiper Mulheres‘, tiraram do contexto e passaram a divulgar que as mulheres xinguanas obrigam os homens a fazerem sexo. Isso foi sentido de forma muito negativa por essas mulheres. A maioria das imagens de mulheres indígenas na internet mostram nudez, enquanto a dos homens indígenas não. As mulheres indígenas há muito tempo são retratadas com ênfase em seu apelo sexual e elas querem mudar isso.

O projeto prevê a participação de convidadas para falar sobre violência contra as mulheres nas redes sociais e grupos de conscientização. Alguns povos, por iniciativa própria tem protegido as meninas, mas a maioria dos homens encara como uma brincadeira. Há uma luta árdua para que a violência psicológica seja reconhecida como violência nas aldeias.

Ao que parece, ter contato com a pornografia influenciou diretamente a maneira como os homens passaram a observar as mulheres e seus corpos. Essa associação pode não ser imediata e o compartilhamento das imagens remete a uma socialização masculina que utiliza os corpos das mulheres como objetos de troca. Isso são inferências que faço, já que a pornografia, especialmente aquela produzida pela indústria pornográfica, é um tema sempre presente nos debates feministas.

Acredito que a produção de imagens eróticas e pornográficas faz parte das vivências. Porém, essa situação também explicita como esses elementos podem ser usados para violentar a autonomia e autoestima das mulheres, o que muda são apenas os meios. Também percebe-se que as desculpas são as mesmas, até nas aldeias indígenas a violência é praticada sob o disfarce da brincadeira.

Texto escrito pela linda Bia Cardoso para as Blogueiras Feministas.

“Você sabe o que é ser mulher na política?”

Você sabe o que é ser mulher na política? É gritar para ser ouvida. É ser interrompida o tempo todo. Ou até mesmo ser traduzida. É ter medo de voltar pra casa quando os camaradas prolongam a reunião sem notar que quem corre o perigo é a mina do grupo. É ser ofendida em processo disciplinar alheio. É ser diminuída. Ser vista como libertária e presa fácil para saciar o desejo masculino. É esperar que o feminismo “vem depois”.

E se é assim hoje, se esse é o meu relato de 2016, como posso desconsiderar os tempos sombrios de outrora?

passeatamulheres_ditadura
Passeata de mulheres no Rio de Janeiro em 1983. Foto de Almir Veiga/CPDOC JB.

Tortura é algo muito sério, dores e humilhações tão profundas que nem os relatos mais tristes podem mensurar. Muitas morreram para que hoje tenhamos espaço na luta revolucionária. Muitas lutaram e sobreviveram ao massacre para que ainda hoje possamos erguer nossa voz e nos posicionar politicamente. As escaras ainda não curaram. E nunca curarão, ouso dizer. E em pleno 2016 precisamos ouvir um defensor, eleito pelo povo, em nome de “Deus” e da “família”, exalta os responsáveis pela tortura de Dilma, que hoje calhou de ser presidenta, e de outras tantas mulheres vítimas dos anos de chumbo.

Por Jana Maroni Barroso, por Maria Célia Correia, por Rosa Kucinski Silva, por Olga Benário, por Nise da Silveira, por Patrícia Galvão, por Eneida de Moraes, por valentina da Costa, por Armanda Álvaro Alberto, por Maria Morais Werneck de Castro, por Nilda Carvalho, por Iara Iavelberg, por Ana Rosa Kucinski Silva e tantas outras, eu rechaço o discurso daquele que nem merece ser mencionado.

Em memória delas!

Por Kel Campos, em seu perfil no Facebook.