Seu feminismo acolhe as mães?

13445675_605334102976000_2450825139618696984_nA mulher dessa foto é Daniele Toledo. Ela tinha 21 anos quando tudo aconteceu. Na época era bem humilde, e tinha dois filhos, um menino de 3 anos e de uma menina bebê chamada de Vitória Maria.
Seu martírio começou na noite de 28 de outubro de 2006, em um sábado. Daniele tentou levar sua filha Vitória para o Hospital Universitário de Taubaté, na época administrado pela Fundação Universitária de Saúde de Taubaté (Fust). A menina sofria de problemas de saúde, nunca diagnosticados com precisão, desde o nascimento.
A gravidez da Vitória foi complicada e ela acabou nasceu prematura, só retornando para casa com 2 meses e meio de idade. Mas logo começou a ter febres convulsivas e a partir do sexto mês o quadro se agravou muito. Entre idas e vindas, até sua morte, foram oito vezes em que ela ficou internada na UTI.
Naquele sábado, entretanto, por uma estranha ordem administrativa, a instituição médica não aceitou a menina, então acabaram indo para o Hospital Municipal Infantil.
Daniele não foi aceita com a filha no Hospital Universitário, já que em uma das noites em que passava na instituição com sua filha, foi estuprada por um estudante do curso de Medicina.
Sem opções, passaram a noite no hospital municipal. Vitória depois de muita luta, não resistiu, depois de 3 paradas cardiorrespiratórias.

danieletoledo-20100922Durante a segunda parada cardíaca de Vitória, Daniele foi presa em flagrante. Não teve nem um último contato com a filha, não viveu o luto. Saiu do hospital chorando, algemada, direto para a delegacia sem nem entender o que tinha acontecido, sem saber direito se sua filha estava realmente morta.A partir de um teste rápido os policiais concluíram precipitadamente que existiam indícios de cocaína na mamadeira, incriminando Daniele. No mesmo dia, parte da imprensa veiculava o caso, acusando-a injustamente de “o monstro da mamadeira”.Daniele enfrentou camburão, delegacia e cadeia pública. Foi levada a um presídio na cidade vizinha sem nem ao menos um julgamento, no qual foi espancada por outras detentas após descobrirem a falsa acusação através de um programa local de televisão. Adquiriu assim várias sequelas graves, que penduram até hoje: perda a visão e da audição do lado direito do corpo, sendo reduzida a capacidade de movimento do mesmo lado, além de ter constantes convulsões.
Permaneceu cerca de quarenta dias presa.
Quando o resultado dos testes saíram, sua situação finalmente mudou: foi finalmente comprovado que o pó era na verdade era um medicamento para a doença rara que sua filha tinha.
Daniele ainda move duas ações, e em ambas pede indenização. Uma, contra o Estado, por causa da injusta prisão, espancamento e de toda dor que sofreu. A outra, contra a Fust, por causa do episódio de violência sexual. O estuprador, na época estudante de medicina, nunca foi punido devido a “falta de provas” (Daniele não foi nem ao menos submetida a exame de corpo de delito, sua denúncia foi considerada “irrelevante”). Hoje o sujeito exerce sua “honrada profissão” normalmente, e sua identidade até o momento não foi nem revelada.
613056-970x600-1DIFERENTEMENTE DE DANIELE, O AGRESSOR SEXUAL NÃO TEVE DESCONFIANÇA POR PARTE DO ESTADO, que permaneceu incrédulo ao seu lado, desde o princípio.
Em agosto o caso completa 10 anos e mesmo a moça tendo provado sua inocência judicialmente, não consegue nem ao menos “provar isso para a sociedade”. Arrumou vários empregos, mas era demitida instantaneamente, logo após descobrirem seu caso. Seu filho mais velho hoje é adolescente, e Daniele é impedida de frequentar reuniões escolares e acompanhar o rapaz em suas atividades. Também não consegue ir a ambientes públicos pois é frequentemente reconhecida.
Além de sequelas físicas, Daniele toma remédios para tratar depressão e síndrome do pânico adquiridas após os acontecimentos.
Aos 31 anos, desempregada e morando de favor, seu livro contando sua vida sofrida foi lançado na primeira quinzena de junho intitulado “Tristeza em Pó”.
As causas da morte de Vitória até hoje permanecem desconhecidas, pois foram tratadas com descaso após Daniele ser inocentada (ela acredita que a menina morreu devido a negligência médica).
A história de Daniele é apenas uma das milhares que existem, de várias mulheres, que são vítimas da violência misógina estatal, que está se tornando cada vez mais visível, e não será mais ignorada.
Ela não será calada. Nós não seremos caladas.
Nenhuma será deixada para trás.
Seguiremos nossa luta, juntas.
Força Daniele, você não está sozinha!

11219315_1016161151749358_4409559085983191388_n

Por Jessica Beauvoir, idealista, feminista, completamente apaixonada por gatos. Cuida d’O Gato e o Diabo e continua não desistindo do Assistência Jurídica para as Minas.

“Inocentada da morte da filha de 1 ano, mãe narra sequelas da prisão.”  – Via Folha de S.Paulo.
“Mãe acusada de matar a própria filha relata injustiça em livro.”  – Via Livraria da Folha.
‘A médica disse que eu tinha matado a minha filha’ – Via Estadão.

Maternância: pois maternar também é um ato político!

Enquanto mães, e principalmente mães de meninos, temos o papel cansativo e fundamental de corrigir a família, os amigos e procurar, tentar dar uma educação que não os deixe utilizar o potencial de oprimir, delegado ao gênero masculino em sua construção social. Mães de meninas ficam com o fardo pesado de proteger as filhas, dos filhos dos outros… E isso é tão desumano e injusto.

Começa quando a gente engravida e não dá risada das brincadeiras “vai sair comendo todo mundo, hein?”, lembro que a primeira brincadeira assim que eu ouvi, foi da boca de uma mulher, que me disse “vai nascer namorando as menininhas já”, e eu disse “ou os menininhos né?”. Foi uma cara de horror misturada com espanto. Depois quando ele nasceu, era as brincadeiras sobre com quem que ele ia namorar, meu filho tinha 2 meses e as pessoas já especulavam com quem ele iria namorar… Além da erotização infantil absurda, ainda vinha um machismo pesado de acreditar que ele vai ser hétero, aliás, de determinar isso.

10801602_765039136917791_3725710942055674878_n
Olha o Enzo vindo!

Sempre trabalhei com o Márcio sobre machismo, sobre o que machismo é, sobre ele ser machista, tivemos muita dificuldade no início, até ele entender que não era uma acusação, era uma reflexão. Que ele não tinha escolhido ser assim, ele foi condicionado. E então foram 9 meses de bate sobre gênero, além dos 4 anos que já haviam corrido, e o choque dele estar com uma mulher que simplesmente não media palavras e o corrigia, estivesse onde estivesse. Ainda trabalhamos isso nos dias de hoje, mas as coisas mais urgentes como homossexualidade, papel de gênero, identidade de gênero e hierarquia, já conseguimos entender e cuidar…. Ainda é um trabalho de formiguinha. Mas funciona.

Eu, enquanto mãe, sempre procurei rebater esses argumentos sobre sexualidade mostrando que ele pode ser o que ele quiser, inclusive gay, porque eu acredito que as vezes chocar, da mais resultado do que conversar com quem não quer ouvir – e não vai –, com as pessoas que estavam mais abertas, eu procurava dizer que não gostava que dissessem essas coisas sobre ele, e tampouco envolvendo a filha dos outros. Já acho um absurdo tremendo discutir a sexualidade de uma criança de 2 meses de idade, mas o mundo não é essa bolha maravilhosa que meu Facebook é: cheia de gente desconstruída e respeitosa.

12278753_938955259526177_8578175986207242553_n.jpg
Amamentar também é um ato político, sim!

Ele foi crescendo, e eu como musicista, procurei ouvir com ele músicas (boas) de todos os gêneros musicais. A família ajudou, e ouvíamos desde batuques, até o funk dançante de Anitta, que eu fiz questão de ensina-lo a dançar, até músicas clássicas com direito a piano real, violoncelo real e violino real. Ouvi de muitas pessoas que eu queria transformar ele em gay, porque eu ouvia músicas pop com ele, e eu sou irônica por natureza, treteira de nascença, minha resposta sempre foi que teria companhia para ver minhas dicas favoritas e que tudo bem.

12932847_1013976822024020_1455070085116139633_n
Festa de 1 ano dessa lindeza no mundo, com o papai Márcio e a mamãe Daiane!

Agora, estamos na fase dos brinquedos e brincadeiras. O primeiro brinquedo, além dos mordedores que ele já teve e que eu comprei, foi a boneca do desenho animado favorito dele, a Luna. Antes disso ele tinha ganhado o Alípio do Cocoricó, e outros animais, mas todos ganhados por outras pessoas. Desde o começo eu analiso todos os desenhos que o Enzo assiste, e o mais recente é a Masha, quem souber onde adquirir uma Masha por menos de 60 conto me avisa. Ele também gosta do Palavrão Cantada, de batuques, de Trem da Alegria e Balão Mágico, rock clássico, e o baião da novela “Êta mundo bom!”, e sempre que ele dança não o inibimos. Deixamos ele brincar do que quiser. Uma das brincadeiras favoritas é cozinhar e limpar a casa. Ele me vê cozinhando desde que nasceu, ele sabe que eu gosto de cozinhar, adoramos “dar papa” para os bonecos, e ainda vou dar um jeito de comprar uma cozinha para ele. Dos dois lados da família, houve espanto provocado, mas o diálogo está aí para isso é se não resolve, a última palavra é minha e eu que determino.

Enzo vai para escolinha, e obviamente uma das primeiras coisas que irei conversar é sobre papel de gênero e sobre não limitar as crianças dentro de seus papéis de gênero criados a partir de uma perspectiva machista e opressora. Eu sou mãe de um menino, ele um dia será homem, nós, enquanto mães, pais, familiares e educadores, temos a responsabilidade de preparar esses filhos para o mundo e principalmente, para que respeitem o próximo, e mais ainda a próxima.

Nossa tarefa não pode ser individual, a responsabilidade não pode ser exclusiva da mãe, ela é uma responsabilidade de todos que convivem com crianças. Não vivemos num Brasil desconstruído como gostaríamos que fosse, as pessoas a nossa volta, desconhecem muitas coisas, estão aprendendo, e infelizmente, por mais cansativo que seja, esse é o nosso papel fundamental: o de informar, o de tentar. Atentando-se para não adoecer, claro.

13246430_1048506768571025_5985502398698812422_o
“Eu vejo meu filho brincando, sendo criança!  O que vai determinar o gênero ao qual ele se identifica, com certeza não é a liberdade que ele têm!”

Eu sou uma mãe feminista, uma nora feminista, uma cunhada feminista, uma filha feminista, uma neta feminista, uma irmã feminista, uma amiga feminista, uma mulher feminista. Eu não posso exercer este papel apenas no âmbito virtual ou junto de quem me entende, as vezes a gente sai da bolha e percebe que ninguém ta entendendo o que a gente fala. Precisamos falar em todos os espaços. Os meninos precisam tornar-se homens conscientes e que não exerçam esse potencial nojento delegado ao seu gênero. Para que nossos filhos, não abusem, não maltratem, não oprimam nossas filhas, as filhas dos outros, as outras mulheres e a nós mesmas.

Para que eles cresçam e possam ser homens felizes, seguros, plenos e livres de seus papéis de gênero. E que possam se identificar da maneira que se sentirem. E que possam respeitar a identificação dos outros… O outro.

Lutamos.
Tentamos.
Resistimos.

13240052_1042216402533395_8035195409455186292_n

Daiane Oliveira possui uma marca de slings chamada Ocatus, tem uma lojinha muito marota na Galeria do Rock, possui uma página linda chamada Maternância, e ainda é a mãe dessa lindeza que é o Enzo.