“Então, quem quer namorar a gorda?”

Outro dia, conversando com uma amiga gorda sobre adolescência e namoricos, confessei algo que hoje acho terrível: antes, quando eu gostava de alguém, me imaginava com a pessoa, criava cenas e situações de nós juntos, ou seja, sonhava acordada, assim como todo mundo fazia, né. Até aí tudo ótimo. Só que em todas essas fantasias eu não era eu; eu era uma versão magra de mim. A fantasia nunca acontecia no presente, mas dali a alguns meses, que seria o tempo de eu emagrecer. Toda vez que lembro disso tenho vontade de voltar no passado e abraçar a minha eu adolescente. Para minha surpresa, a minha amiga disse que fazia a mesma coisa. Conversei com outras amigas gordas e elas admitiram o mesmo. Aí concluí que nem na nossa imaginação, nós, mulheres gordas, somos livres para amar e sermos amadas.

pauta26-marinasader
Ilustração por Marina Sader a partir de foto do Projeto Cada Uma da modelo Jacqueline Jordão.

Primeiro de tudo: namorar, achar um par, a cara metade e essa coisa toda que crescemos acreditando, não é necessariamente a verdade absoluta. Namorar não é sinônimo de felicidade. A única pessoa que pode validar você, que “te completa”, “que pode salvar você” e que tem obrigação de te amar é você mesma. O amor próprio é o mais importante de tudo e um dos mais difíceis, ainda mais quando você é gorda ou fora de qualquer padrão. A gordofobia agride a gente todos os dias, ela está ao nosso redor o tempo todo, e se manter acima disso, conseguir passar por cima e ser feliz com você mesma do seu jeito é muito difícil, porém, fundamental. Dito isso, podemos, sim, ter desejos, vontades e sentimentos. Temos todo o direito de querer afeto. Independentemente da ideologia romântica que nos é enfiada goela abaixo, afeto é bom, é gostoso e se você quer ter isso, você tem todo o direito do mundo de alcançar esse objetivo, não importando o tamanho do seu corpo. Mas aí surge a pergunta: quem quer namorar a gorda?

Eu já ouvi mais vezes do que eu gostaria, inclusive da boca de amigos, a seguinte frase: “nada contra, mas eu não curto ficar com gordas, é uma questão de gosto, sabe?”. Galera que fala isso, deixa eu explicar uma coisa: o seu gosto não vem do nada, ele não é natural. Você não nasce só com vontade de pegar gente no padrão, esse padrão é construído. Crescemos achando o corpo gordo feio, indesejável, tendo uma neurose absurda de sê-lo. Isso é tão naturalizado que vocês falam “ai, não posso engordar”, “estou tão gorda, que péssimo” na frente de pessoas que de fato são gordas como se isso não fosse uma ofensa; como se falar “olha que bosta, meu corpo está ficando igual ao seu, quero morrer” fosse tranquilo e não vá afetar de modo algum quem está te ouvindo. Aí você quer virar pra mim e falar que não pega gente gorda por uma questão de gosto? Faça-me o favor.

gordaMais uma questão para refletirmos: vamos supor que o sujeito magro seja descontruído e passe por cima disso, mas ainda existem as pessoas em volta de vocês, a piada dos amigos, a reclamação da família, o preconceito nos olhares, e por aí vai. É bem impressionante como o amor é condicionado. Ele só é válido se for de uma tal forma, de um tal jeito, e a felicidade que é constantemente associada ao amor só alguns merecem ter. Porque, no fim das contas, essa é sempre a raiz do problema: os gordos não podem ser felizes nunca. Isso invalida a ordem das coisas no caminho para o pote de ouro da felicidade: só pode magra. Uma gorda feliz consigo mesma? Não pode, a gente vai oprimir até ela voltar a se odiar e querer entrar na fila da felicidade dos magros de novo. Demorou muito tempo para eu entender por que eu não conseguia transar com ninguém; por que tirar a roupa e ficar nua na frente do outro era tão assustador; por que ficar vulnerável era um risco diferente para mim; por que ir em uma boate e ficar sozinha em um canto enquanto todos os meus amigos estão com alguém não é minha culpa; por que não ter ninguém igual a mim em lugares assim não é coincidência; e, principalmente, por que eu mereço mais do que alguém que tenha vergonha de mim, e por que um relacionamento maduro e saudável é o mínimo aceitável. Migalhas nunca mais.

É importante lembrar que mesmo nós, gordos, não estamos imunes à visão gordofóbica das coisas. Ela é muito forte no mundo em que crescemos e vivemos. Até conhecer e me apaixonar por um gordo, eu de certa forma também torcia o nariz e me sentia nadando na hipocrisia. Óbvio que as atrações existem e não conseguimos criar uma onde não tem, mas dá para abrir a cabeça um pouquinho, cogitar pessoas e não as mandar direto para a pilha de pessoas impossíveis. É só dar uma chance para as coisas acontecerem; eu fiz isso e tive um relacionamento ótimo, até descobri que me sinto muito mais à vontade e confortável me relacionando com pessoas gordas.

adelePara mim, o amor é tão maior do que achar ou não uma pessoa bonita. Se apaixonar por alguém não é só se apaixonar pelo seu corpo, é se apaixonar pelo seu jeito, sua visão de mundo, seus pensamentos, sua risada. É tão mais coisa, e nós, gordas, não somos só o nosso corpo, somos pessoas completas e interessantes com muito a oferecer para os nossos companheiros. Porém, é sempre bom lembrar que não somos interessantes “apesar” de sermos gordas. Ser gorda faz parte do pacote e é lindo, porque isso faz da gente a gente. Para fechar, vamos recapitular que a primeira coisa mais importante de tudo é a gente se amar; a segunda é a gente se amar, e a terceira é sim, nós merecemos o amor que a gente quer e que nos faz bem, felizes e saudáveis, porque o amor é livre e é para qualquer um.

Originalmente publicado aqui.

54

Dani Feno, 26 anos. Quando era criança foi ao cinema ver Rei Leão a primeira vez e se apaixonou por essa coisa de ver filmes. Mais velha viu um seriado chamado Clarissa e pronto, a paixão passou para seriados também. Foi tão forte que agora trabalha em uma finalizadora de filmes e programas de TV, mas o que gosta mesmo é de editar vídeos para Capitolina. Gorda e feminista desde criança também (apesar de só saber que é esse o nome há pouco tempo). Acha que a melhor banda do universo é Arcade Fire e pode ficar horas te convencendo disso.

“Cesárea também pode ser um parto humanizado”, simples assim.

Sabe quem de fato, consegue “azedar” mais o tal do “ativismo pelo parto humanizado”? Será o médico cesarista? Eu estou uns bons anos para dizer que não, hein…. Que somos nós, as próprias ativistas mesmo. Porque jogamos nosso tempo fora debatendo sobre coisas infrutíferas, com uma dinâmica ridícula que só sai do campo das “tretas maternas” ileso, quem concorda e quem tem “conhecimento científico o suficiente”.

13600361_1070233226398379_8647447629267676303_n
Olha o Enzo aí! 

Eu fui uma mãe “empoderada” a gestação inteira, eu li, eu estudei, peguei gosto, tanto que se eu fosse escolher algum curso hoje, eu escolheria obstetriz sem dúvida alguma. Isso não me garantiu um parto vaginal humanizado, isso me garantiu uma cesárea respeitosa ao menos. Porque digam o que quiserem dentro de grupo, bebê pélvico e família desesperada é fator mais que suficiente para abalar o psicológico de 98% das mulheres, infelizmente.

Agora, eu abrir discussão em grupo para falar sobre algo que exige conhecimento científico, pedindo opinião para mulheres mães, para somente alimentar meu próprio ego refutando os comentários de cada uma delas, alimentando e botando para funcionar uma dinâmica que só tende a deixar de fora quem não se encaixa, não é nada sobre ativismo, nem sobre acolher mulher alguma…. É sobre reunir num grupo apenas as mulheres que concordam com você, é apenas sobre segregar ainda.

Todo movimento de esquerda pode ter esse “privilégio” de se dividir… Quem não pode somos nós mães. Sabe porquê?! Porque pasme você, mas mães quando falamos em recorte, são uma das pessoas mais inviabilizadas, estereotipadas…

Cada uma que consegue entender que a importância de um bom parto não é postar foto e fazer relato e sim algo tão importante quanto de fato a saúde e uma vida saudável para ambos, é necessária. Cada mulher que é acolhida dentro de grupos, tenha tido a via de nascimento que for, ou até mesmo optado por ela, deve ser acolhida, direcionada, aconselhada. Deve ter o respeito a sua escolha garantido. Alimentar e endossar o coro para expor outras mães em grupos maternos, alimentar e endossar o coro para incentivar que uma mulher venda o carro para pagar o parto, não é sobre ativismo…. É só sobre ego ainda. É só sobre as suas necessidades projetadas noutra pessoa.

13432341_1062871417134560_1318584652662496885_nPasme se eu disser que antes uma parturiente que prefere sim, esperar o trabalho de parto, faz plano de parto consciente de que seu convênio ou o hospital público não vai bancar seu parto e ela terá sim de fazer cesárea, porque é o que sobra de opinião no mundo real para realidade dela, que pode ser que tenha problemas x e y e por isso não vai ser atendida em casa de parto, mas que joga com a realidade e faz um relato de parto que tem chances de ser acatado pela equipe que fará sua cesárea. E consciente aceita sua realidade lidando com as consequências dela, do que uma mãe que vende carro, se endivida, cria uma expectativa, planeja de um jeito e se vê do nada dentro do centro cirúrgico, com a barriga sendo aberta, despreparada, com um plano de parto que a equipe se quer vai ler, porque ele já deixa claro que é sobre parto natural, e a gestante fica lá… Chorando e com suas escolhas jogadas no lixo por uma coisa chamada: realidade.

 

“Nossa Dai, que desserviço, você está prejudicando o ativismo só porque você fez cesárea, você anda muito azeda, chata e desgostosa”.

Olha, e se eu falar para vocês que eu saí da bolinha da internet e fui viver?! Talvez as coisas não aconteçam do dia para noite, talvez necessite de mais tempo…. Talvez devamos começar instruindo a mãe a respeito do que é palpável para ela. Uma mãe de pélvico, de convênio, que não tem dinheiro para bancar equipe particular, nem viagem para hospital em outra cidade, tem que trabalhar com fatos e circunstâncias, ponto. Mais fácil ela ser aconselhada a criar um plano de parto que seja razoável para sua realidade, do que ela se imaginar indo para o meio do mato parir um pélvico desassistido.

12341468_950132761741760_4435040246945870827_n
10 meses de vida! ❤

O ativismo pelo parto, assim como os demais movimentos de esquerda, anda precisando conversar com a realidade. Talvez esse seja o caminho de fazer as pessoas entenderem que a questão da violência obstétrica não está ligada apenas com a semana de gestação “permitida” para fazer cesárea ou não. E sim com um atendimento digno, respeitoso, e com muita informação de qualidade no pré-natal. E mais do que tudo isso junto: acolhimento de verdade e respeito pelas decisões. Mesmo se ela optar por uma cesárea, talvez seja realmente melhor para realidade dela. Para história dela. Para o que ela tem naquele momento.

Que o parto natural humanizado é a melhor via, eu não tenho dúvida. Agora se ele for possível para todas, ele com certeza não é. Então vamos falar individualmente sobre cada caso, sobre a realidade de cada mãe, acolher ela dentro das suas possibilidades, sem precisar lembrar ela (de maneira travestida de “informação”) de que ela é uma bosta por não ter conseguido aquilo.

Nós não temos o privilégio nem de nos separar, ou nos unimos, ou não se conquista NADA.

13240052_1042216402533395_8035195409455186292_nDaiane Oliveira já esteve aqui antes só que falando sobre Maternância, lindamente! Possui uma marca de slings chamada Ocatus, tem uma lojinha muito marota na Galeria do Rock, possui uma página linda chamada Maternância, e ainda é a mãe dessa lindeza que é o Enzo.

Pare de Culpar sua Amiga Pelo Relacionamento Abusivo Dela!

Sua amiga está em um relacionamento abusivo. Desesperada, você não entende como ela consegue ficar com aquela pessoa que faz tanto mal para ela. Poxa, ela costumava ser tão dona de si! Ela é tão bonita, tão inteligente, tem família, um emprego bacana. Na sua cabeça, ela só pode ser burra ou fraca para ficar com alguém assim. Você jamais deixaria barato…

13062393_586635058179238_5238489806745683175_n
Jout Jout!

Deixa eu te falar várias coisas que talvez não tenham passado pela sua cabeça.

 

Coisa 1: Culpar sua amiga não funciona!

Sua amiga está sofrendo. A última coisa que ela precisa é de (mais) alguém dizendo o quanto ela é fraca e burra por estar com uma pessoa dessas.

Quando a gente está em um relacionamento abusivo, é muito difícil perceber. Porque a gente gosta daquela pessoa, fica muito complicado entender que ele ou ela nos faz mal. A gente releva: “ah, ele nem sempre é agressivo”, “ela é tão carinhosa às vezes”.

Mesmo quando a gente percebe que está em um relacionamento ruim, sair dele parece impossível. Porque a pessoa acha que, se sair, não vai conseguir arrumar ninguém nunca mais, que deveria agradecer por alguém aguentá-la, que ela é um lixo, etc.

Quando você fala para a sua amiga que ela é fraca e burra por estar em um relacionamento abusivo, você confirma os sentimentos ruins que a relação alimenta na cabeça dela. E isso faz com que o namoro dela pareça o único espaço seguro no mundo – afinal, mesmo tendo “uns probleminhas”, ela tem alguém que a aceita e que, às vezes, trata ela bem.

Tenha mais empatia!

Coisa 2: A mulher é criada para servir.

Quando você era pequena, aposto que sua mãe já disse para ficar bem comportadinha, porque fazer malcriação é coisa de menino. Aposto que você ganhou bonecas e que era elogiada por ser uma menina quietinha, e que, se não era quietinha, levava bronca por isso.

Aposto que você já ouviu, quando sentou de pernas abertas, que menina não senta assim, e que sentiu, ao entrar na adolescência, que sua aparência não agradava os meninos de alguma forma. Isso para não dizer que você ajudou sua mãe e sua avó a colocar e a tirar a mesa de almoço de domingo enquanto os tios e primos assistiam TV.

11138502_958508010848006_7882289738093517622_n
A Culpa NUNCA é da Vítima!

Desde pequena, você foi ensinada a não dar escândalo. A não ser barraqueira. A não exagerar, seja na reclamação da cólica ou na denúncia daquele menino que te obrigou a ficar com ele na festinha do colégio (na qual, aliás, você não conseguiu dançar porque estava desconfortável demais de salto alto e saia curta).

 

Para sair na rua, você sempre pensa duas vezes antes de usar shorts, vestidos, saias, mesmo quando está um calor terrível. Você frequentemente usa jeans, também, para evitar olhares – não que isso ajude. Você foi coagida a aceitar e agradecer o que lhe foi dado (afinal, você é bem comportada).

Você também machuca sua pele e se expõe a doenças ao se depilar, entope os poros com maquiagem, passa algumas horas do seu dia cuidando dos cabelos, porque cabelo ruim não dá. Ah, e você precisava ter um namorado, afinal, é só disso que suas tias, avós e até sua mãe falam quando perguntam “e os namoradjenho?”.

E esse namorado não precisa ser perfeito, viu? Aliás, não pode escolher muito, senão fica pra titia. Tem que aceitar o que a vida te deu com tanto carinho. E, quando estiver namorando, tem que comparecer, senão a concorrência vence.

Não vou continuar com a lista, que é infinita. Mas, se você respondeu “sim” a algumas dessas perguntas, pare e pense: desde pequena, você é ensinada que deve ser submissa, obediente, comportada. Que não deve reclamar, porque a sua dor não é ruim o suficiente, e porque reclamar é falta de educação. E aí, voltando à amiga do relacionamento abusivo, como você pode chamá-la de burra e fraca, quando a submissão dela é a sua submissão, que foi ensinada e encorajada desde cedo?

Coisa 3: Poderia ser vocêzinha!

Empatia significa conseguir se colocar no lugar do outro e perceber que poderia ser você. Mas o bacana é conseguir fazer isso sem se colocar como uma super heroína à prova de tudo, que faria muito melhor, porque, afinal, você não é burra e fraca.

Frases como “se eu fosse você, nunca cairia nessa”, ou “eu, no seu lugar, dava um escândalo” soam extremamente depreciativas para a sua amiga em um relacionamento abusivo. Então, antes de soltar essas pérolas, pense: você faria isso mesmo? Sério? Seria tão invencível e racional que ignoraria o que você sente pelo(a) namorado(a) e cairia fora? Acho que não.

13346468_600741216768622_6963741821764411641_n
Feito pela Marina França!

Ninguém é de ferro. E quer saber? Tudo bem. Porque é justamente essa mania de dizer que somos fortes que mantém sua amiga em um relacionamento abusivo. Somos seres humanos e temos fraquezas, e um primeiro passo é admitir isso e procurar ajuda.

Coisa 4: Como ajudar de verdade?

Primeiro, mostre o vídeo da Jout Jout sobre relacionamentos abusivos. Ele é super didático e ajuda a entender que algumas situações são, sim, problemáticas, e que se sentir mal nelas não é exagero e nem culpa da sua amiga. Esse vídeo abre os olhos.

Depois, quando a sua amiga entender que está em um relacionamento abusivo, mostre que você pode dar apoio. Em vez de critica-la, abrace, diga que você está ali para qualquer coisa, que ela pode te ligar a hora que for. Esteja lá por ela: seja um ponto de referência fora do relacionamento. Mostre que o(a) namorado(a) não é a única pessoa que entende/aceita/quer ficar com a sua amiga.

Ajude a aumentar a autoestima dela. Quando ela fizer algo bacana, elogie. Aponte traços incríveis dela, sejam eles físicos, intelectuais ou da personalidade dela.

Enfim, seja uma aliada, e não uma inimiga.

Originalmente publicado aqui.

10427295_1018183911529205_1470080480251778858_nHelô D’Angelo é uma linda, apaixonante e está quase terminando jornalismo! Ultimamente anda estagiando na Revista Fórum e da Superinteressante, porque o futuro dessa mina é extraordinário!

Seu feminismo acolhe as mães?

13445675_605334102976000_2450825139618696984_nA mulher dessa foto é Daniele Toledo. Ela tinha 21 anos quando tudo aconteceu. Na época era bem humilde, e tinha dois filhos, um menino de 3 anos e de uma menina bebê chamada de Vitória Maria.
Seu martírio começou na noite de 28 de outubro de 2006, em um sábado. Daniele tentou levar sua filha Vitória para o Hospital Universitário de Taubaté, na época administrado pela Fundação Universitária de Saúde de Taubaté (Fust). A menina sofria de problemas de saúde, nunca diagnosticados com precisão, desde o nascimento.
A gravidez da Vitória foi complicada e ela acabou nasceu prematura, só retornando para casa com 2 meses e meio de idade. Mas logo começou a ter febres convulsivas e a partir do sexto mês o quadro se agravou muito. Entre idas e vindas, até sua morte, foram oito vezes em que ela ficou internada na UTI.
Naquele sábado, entretanto, por uma estranha ordem administrativa, a instituição médica não aceitou a menina, então acabaram indo para o Hospital Municipal Infantil.
Daniele não foi aceita com a filha no Hospital Universitário, já que em uma das noites em que passava na instituição com sua filha, foi estuprada por um estudante do curso de Medicina.
Sem opções, passaram a noite no hospital municipal. Vitória depois de muita luta, não resistiu, depois de 3 paradas cardiorrespiratórias.

danieletoledo-20100922Durante a segunda parada cardíaca de Vitória, Daniele foi presa em flagrante. Não teve nem um último contato com a filha, não viveu o luto. Saiu do hospital chorando, algemada, direto para a delegacia sem nem entender o que tinha acontecido, sem saber direito se sua filha estava realmente morta.A partir de um teste rápido os policiais concluíram precipitadamente que existiam indícios de cocaína na mamadeira, incriminando Daniele. No mesmo dia, parte da imprensa veiculava o caso, acusando-a injustamente de “o monstro da mamadeira”.Daniele enfrentou camburão, delegacia e cadeia pública. Foi levada a um presídio na cidade vizinha sem nem ao menos um julgamento, no qual foi espancada por outras detentas após descobrirem a falsa acusação através de um programa local de televisão. Adquiriu assim várias sequelas graves, que penduram até hoje: perda a visão e da audição do lado direito do corpo, sendo reduzida a capacidade de movimento do mesmo lado, além de ter constantes convulsões.
Permaneceu cerca de quarenta dias presa.
Quando o resultado dos testes saíram, sua situação finalmente mudou: foi finalmente comprovado que o pó era na verdade era um medicamento para a doença rara que sua filha tinha.
Daniele ainda move duas ações, e em ambas pede indenização. Uma, contra o Estado, por causa da injusta prisão, espancamento e de toda dor que sofreu. A outra, contra a Fust, por causa do episódio de violência sexual. O estuprador, na época estudante de medicina, nunca foi punido devido a “falta de provas” (Daniele não foi nem ao menos submetida a exame de corpo de delito, sua denúncia foi considerada “irrelevante”). Hoje o sujeito exerce sua “honrada profissão” normalmente, e sua identidade até o momento não foi nem revelada.
613056-970x600-1DIFERENTEMENTE DE DANIELE, O AGRESSOR SEXUAL NÃO TEVE DESCONFIANÇA POR PARTE DO ESTADO, que permaneceu incrédulo ao seu lado, desde o princípio.
Em agosto o caso completa 10 anos e mesmo a moça tendo provado sua inocência judicialmente, não consegue nem ao menos “provar isso para a sociedade”. Arrumou vários empregos, mas era demitida instantaneamente, logo após descobrirem seu caso. Seu filho mais velho hoje é adolescente, e Daniele é impedida de frequentar reuniões escolares e acompanhar o rapaz em suas atividades. Também não consegue ir a ambientes públicos pois é frequentemente reconhecida.
Além de sequelas físicas, Daniele toma remédios para tratar depressão e síndrome do pânico adquiridas após os acontecimentos.
Aos 31 anos, desempregada e morando de favor, seu livro contando sua vida sofrida foi lançado na primeira quinzena de junho intitulado “Tristeza em Pó”.
As causas da morte de Vitória até hoje permanecem desconhecidas, pois foram tratadas com descaso após Daniele ser inocentada (ela acredita que a menina morreu devido a negligência médica).
A história de Daniele é apenas uma das milhares que existem, de várias mulheres, que são vítimas da violência misógina estatal, que está se tornando cada vez mais visível, e não será mais ignorada.
Ela não será calada. Nós não seremos caladas.
Nenhuma será deixada para trás.
Seguiremos nossa luta, juntas.
Força Daniele, você não está sozinha!

11219315_1016161151749358_4409559085983191388_n

Por Jessica Beauvoir, idealista, feminista, completamente apaixonada por gatos. Cuida d’O Gato e o Diabo e continua não desistindo do Assistência Jurídica para as Minas.

“Inocentada da morte da filha de 1 ano, mãe narra sequelas da prisão.”  – Via Folha de S.Paulo.
“Mãe acusada de matar a própria filha relata injustiça em livro.”  – Via Livraria da Folha.
‘A médica disse que eu tinha matado a minha filha’ – Via Estadão.

16 formas de combater a cultura do estupro

A cada 11 minutos, uma pessoa denuncia um estupro no Brasil. 88,5% das vítimas de estupro são mulheres. 50,7% das vítimas de estupro tem menos de 13 anos. A previsão mais pessimista estima que apenas 10% dos estupros são notificados no Brasil. A mais “otimista”, aponta que cerca de 35% dos estupros são denunciados formalmente.

O estupro é um crime extremamente subnotificado e pouquíssimos casos resultam em condenação. Isso em qualquer lugar do mundo. E por que esse é um crime tão pouco denunciado? A revitimização da vítima que tem sua vida exposta e sofre com julgamentos que a culpam pela violência que sofreu é um ponto que influencia bastante nesse fenômeno.

A revitimização acontece em vários momentos: no atendimento na delegacia e no hospital, no judiciário, nas notícias que são escritas focando na vida íntima da vítima e nas falas da sociedade, em geral. E isso pode ser algo combatido por todos nós. Que tal repensarmos nossos discursos e ações?

1) Parar de dividir mulheres entre as boas e as vadias.

12347800_527025127473565_7499282869428026073_n
Nem puta, nem santa, só mulher.

Dividir as mulheres em grupos se baseando no comportamento delas é uma forma de perpetuar a ideia de que algumas mulheres merecem sofrer violência sexual ou que as personalidades e hábitos das vítimas sejam vistos como justificativa pela violência que sofreram. Mulheres com vida sexual ativa, que frequentam boates e bares, que bebem, que usam roupas curtas, fumam, tem tatuagens, falam palavrões são consideradas menos dignas de respeito e são chamadas por muitos de vadias, vagabundas e outros termos correlatos. Todas as mulheres merecem respeito e essa divisão ajuda a manter como vigente uma ideia contrária ao respeito a todas.

2) Abandonar o uso de frases como “cu de bêbado não tem dono”.

Sim, uma frase comum como essa reproduz conceitos problemáticos sobre consentimento. É importante lembrar que não é possível consentir com o ato sexual estando desacordada ou incapaz de oferecer resistência. Uma pessoa que está alcoolizada ou drogada e perde o controle de suas faculdades mentais durante esse período não está apta a consentir. Violar o consentimento nesse caso consiste em estupro de vulnerável.

Ou seja, se você ouvir ou ler alguém falando algo como “Você quer transar com essa moça? É só embebedá-la que ela vai ficar facinha”, se manifeste, repudie. Deixe claro que não é algo legal, pelo contrário, é um ato criminoso.

3) Não assediar mulheres na rua e nem na internet. Não naturalizar o assédio.

O assédio nas ruas acontece através das “cantadas”. Muitos alegam que elas são elogios, mas é preciso alertar aqueles que tem o hábito de assediar e os que justificam esse assédio que a grande maioria das mulheres se sente incomodada, intimidada, constrangida e muitas vezes amedrontadas com essas falas.

O assédio virtual consiste em elogios agressivos, inconvenientes, envio de imagens de pênis não solicitadas e outras práticas como essas e incomodam e constrangem as mulheres.

Em ambas as situações, as mulheres são vistas como objetos e são invadidas com abordagens incômodas de desconhecidos ou conhecidos que não tem intimidade para tanto. Parece algo pequeno, mas não é, porque o assédio é consequência dos corpos das mulheres serem vistos como disponíveis para serem avaliados.

4) Não culpar a vítima.

12631546_545374735638604_8152166603112859964_n
A culpa NUNCA é da vítima. Quando vocês vão entender isso?

A culpabilização da vítima expõe a vida da vítima, relativiza o ato do agressor e ignora que estupro não é algo que se justifica. Os julgamentos feitos do comportamento da vítima se baseiam em machismo: comentam sobre a roupa que a vítima usava, onde ela frequentava, a vida sexual dela, o horário em que ela estava fora de casa. Nada disso importa, porque a mulher deve ser livre e viver sua vida como bem entender. Julgar o comportamento da vítima e culpá-la pela violência que sofreu é retirar o estuprador do foco, sendo que ele é o criminoso e desacreditá-la.

5) Parar de falar coisas como “meu time estuprou o seu”, quando ele perder feio.

Estuprar não significa vencer, conquistar, ter um resultado incrível. Estuprar é um crime que fere a dignidade da vítima e não pode ser usado como uma metáfora de algo bom. Usar um termo que significa um ato de violência dessa forma é de uma falta de empatia tremenda e esvazia o significado da palavra como crime. Na verdade, pare de usar “estuprar” como metáfora para qualquer coisa, porque isso tira o foco do crime e banaliza a palavra.

6) Não fazer piadas sobre estupro.

1377959_305901696219197_16055742_n
Gente que sabe que “piadas” de estupro não são engraçadas.

Não é engraçado, é uma falta de empatia tremenda e contribui para que a palavra e o ato sejam relativizados. As “piadas” geralmente se baseiam em “ela gostou” ou diminuem o ato como violência. Além disso, pessoas que querem ser engraçadas muitas vezes usam a ideia de que a mulher considerada feia por não estar nos padrões deve se sentir agradecida por alguém ter, por alguns momentos, a desejado. Esse discurso já foi usado até mesmo por deputado em Plenária para deslegitimar uma deputada. “Como alguém ia querer estuprar uma mulher tão feia?” e frases correlatadas ofendem a vítima e atuam também como uma forma de desacreditá-la. Nesse ponto é importante deixar claro que o estupro é um crime motivado pelo poder, pela violência, pela ideia de que o outro é inferior e não por desejo.

7) Parar de falar coisas como “ela tá precisando é de rola, alguém precisa dar um jeito nela, hein?” e “mal comida”.

Colocar o sexo com um pênis como algo que corrige uma característica considerada negativa numa mulher é reproduzir a lógica de correção através da punição. As mulheres que se relacionam com outras mulheres sofrem com uma violência específica chamada estupro corretivo e frases como essas reiteram a ideia-base dessa agressão. Essa violência específica se baseia na ideia de que o estupro faria a vítima parar de se relacionar com outras mulheres. Mulheres heterossexuais também podem ser vítimas de estupro corretivo, mas o viés é outro tipo de correção.

 8) Ensinar sobre consentimento para as crianças.

Desde a mais tenra infância é necessário ensinar noções de consentimento para crianças. Isso ajuda a criança a identificar a violência, caso aconteça com ela e também a evitar que elas cresçam sem noção sobre os limites do outro.

É importante que as pessoas parem de naturalizar violações de consentimento cometidos por meninos com frases como “esse é meu garanhão”. Repreenda a criança que beije seus coleguinhas sem que eles permitam, que mexam na saia de uma mulher, que toquem o seio de mulheres.

Dica: leiam o texto “30 maneiras de ensinar crianças noções de consentimento”.

9) Entender a importância e apoiar/lutar pela educação que combata o machismo e demais preconceitos.

A educação é uma forma de enfrentar o machismo desde cedo e combatê-lo. Através dela, é possível desconstruir a ideia de que meninos tem que ser garanhões, dominadores e meninas tem que ser quietas e passivas. Quebrar essa lógica é bater de frente com ideias como “prendam suas cabritas que o meu bode está solto” e contribui até mesmo na luta contra a homofobia e lesbofobia, já que a socialização do homem garanhão se baseia também na heteronormatividade e no futuro resulta no apagamento e invisibilidade da sexualidade lésbica, por exemplo.

10) Entender a importância e apoiar/lutar pela educação sexual de qualidade e focada no consentimento.

A educação sexual deve ser voltada a ensinar não só sobre prevenção de gravidez e doenças sexualmente transmissíveis, ela deve ensinar também noções de consentimento e a identificar a violência sexual.

11) Entender que projetos de lei que tentam dificultar o atendimento a vítima de violência sexual e a possibilidade de aborto faz parte da cultura do estupro.

Obrigar uma mulher a seguir com uma gravidez fruto de um estupro é uma revitimização. Dificultar que ela consiga abortar, caso queira, também. Além disso, colocar a necessidade do boletim de ocorrência acima dos cuidados quanto à saúde, como o Projeto de Lei 5069/13 quer, é de uma misoginia tremenda, já que isso se baseia em desacreditar a vítima e não em garantir a dignidade dela. Leia a entrevista com um obstetra especialista no aborto legal.

12) Combater a ideia de que o corpo da mulher é público.

Uma mulher acompanhada de um homem é vista como propriedade dele, disponível para ele. Uma mulher sozinha é vista como disponível para todos. Isso é objetificação, desumanização.

É preciso parar de naturalizar comportamentos como: durante uma investida numa mulher, insistir bastante ao ouvir apenas a negativa e só desistir se ela falar que tem namorado, está acompanhada. Mulheres tem direito a dizer não, mesmo solteiras, desacompanhadas. Respeitem o não sempre.

Além disso, pequenas coisas como “não tocar na barriga de uma grávida sem consentimento” já são formas de ir contra essa ideia. A mulher já é vista como propriedade de todos, a mulher grávida mais ainda. Não assediar mulheres, através de cantadas, também.

13) Não aceitar a naturalização do “quero uma novinha”.

1375071_308074489335251_1378299682_n1
Gente que sabe que a “novinha” é uma criança.

A cultura de valorizar as “novinhas” é perigosa porque ignora que, segundo a lei, é estupro de vulnerável se relacionar sexualmente com menores de 14 anos. A lei considera que nessa idade, a pessoa é incapaz de consentir. Essa cultura é reiterada em diversas músicas populares, como “Nosso Sonho” do Claudinho e Bochecha e na pornografia.

14) Entender que estupros não ocorrem só entre desconhecidos.

Estupros ocorrem não só entre desconhecidos, num beco, de noite. Eles ocorrem muitas vezes dentro de casa, entre conhecidos, familiares e até namorados/esposos. O estupro cometido pelo companheiro é conhecido como “estupro marital” e é constantemente esquecido quando falamos sobre o assunto.

Em apenas 52 países, o estupro marital é um ato punível. Isso acontece porque a mulher é vista como propriedade e o sexo como uma obrigação conjugal. O estupro marital foi reconhecido pela ONU como uma violação de direitos humanos só em 1993. No Brasil, essa violência está incluída na Lei Maria da Penha.

15) Repensar o seu consumo de pornografia.

Sim, a indústria pornográfica reproduz a cultura do estupro com vídeos cada vez mais violentos em que não se percebe bem se o sexo é consentido ou não. Vídeos de estupros são listados em vários sites como vídeos pornográficos, porque a humilhação e a agressividade são colocadas na pornografia como lugares comuns do sexo. Lembrando que a pornografia é vista como uma educação sexual, principalmente para meninos e eles crescem com essas noções deturpadas do que é sexo.

16) Abandonar ideias como “espero que o estuprador vire mulherzinha na cadeia”.

O estupro não pode ser visto como uma forma de corrigir/punir, nem mesmo se essa lógica ir contra o estuprador. Isso ajuda a manutenção da cultura do estupro. Além disso, usar “virar mulherzinha” como sinônimo de ser estuprado diz muito sobre como nossa cultura vê a mulher como inferior e o corpo feminino como disponível.

Imagem de Indiretas Feministas e d’O Gato e o Diabo.

Veja o vídeo “De 30 não salva 1” do Canal Tititias aqui. O vídeo fala sobre como estupradores não são monstros/doentes/raras exceções.

Nota do Ativismo de Sofá sobre o “nem todos os homens”.

Texto de Thaís Campolina com contribuição de Kel Campos, do Ativismo de Sofá.

Originalmente publicado aqui.

Não, vocês não vão nos calar!

Perdi a conta de quantas vezes bloquearam meu perfil por conta da minha página O Gato e o Diabo.

Todas as vezes denunciaram por conter nudez explicita, vocabulário impróprio e empoderamento feminista demais. Denúncias sobre assédio, violência contra a mulher, aqueles assuntos que escutamos tantas vezes que chegam a ser banalizados.  Machismo. Feminicídio. Nada novo sobre o sol.

Tenho um projeto chamado Assistência Jurídica para as Minas, que auxilia mulheres em situação de risco, sem condições financeiras, que está finalmente quase concluído. Mas, atuava de forma irregular. Sim é irregular explicar para uma mulher que não sabe como funciona o nosso sistema jurídico, é irregular guiar uma mulher à uma delegacia para fazer um Boletim de Ocorrência, é irregular guiar uma mulher até uma Defensoria Pública. Apresentei e pedi ajuda para o meu projeto na própria OAB da minha seccional e até agora não obtive retorno. A mesma OAB que move um projeto conta a nossa presidenta e se silencia mediante as violências que, nós mulheres, sofremos diariamente. Uma OAB machista, misógina, que resume o dia da mulher apenas a palestras cotidianas, chás e sorteios de idas ao salão de beleza e manicure. Com certeza, se as operárias russas do início do século XX recebessem bombons e flores em comemoração ao Dia da Mulher, talvez se sentissem ofendidas.

Nos meus poucos anos como estudante de direito e vários como feminista assumida e sobrevivente de um relacionamento extremamente abusivo advindo dos meus pais, percebi que é antiético ser mulher. É imoral ser mulher. Ativista e feminista, muito menos. Negra, nem cogitamos.

Vamos para a situação que causou esse odisseia?

A mulher posta o ocorrido do assédio que sofreu em Curitiba nas redes sociais. Homens postam fotos com várias analogias sobre a situação com iogurte, molho de tomate, cola branca, falando que é mentira, rindo, humilhando. Maynara Fanucci resumiu ontem todo meu sentimento: “A sociedade não tem espaço para mulheres que denunciam abusos e violências, só para as que se calam.”

É preciso que as pessoas saibam que mulheres são ameaçadas simplesmente por serem mulheres.

Não quero mais escutar que as mulheres são falsas, competitivas, se odeiam.

Não quero mais ser avaliada pela minha aparência, não apoio esse padrão que determinam. Não sustento mais que isso apague a autoestima de mulheres maravilhosas. Chega de “emagreça, embranqueça, alise, diminua, seque, suma”.

Não quero mais que o nosso trabalho seja reduzido, não seja reconhecido. Não merecemos ganhar menos, recebendo menos que os homens pelo mesmo posto.

Não quero nem aguento mais ouvir que licença maternidade é “férias”. Muito menos que toda a encargo da criação dos filhos está na nossa mão, toda a culpa é nossa.

Não quero mais suportar a violência obstétrica. Cansei de mais ouvir relatos de partos violentos, de mães abordadas como lixo, da desumanização da mulher grávida.

Cansei de ver mulheres morrendo pelas mãos de parceiros violentos, que não respeitam sua autonomia e muito menos a nossa existência.

Não aguento mais ter medo de voltar para casa à noite porque receio pela minha integridade física.

Não quero mais que nossa vida sexual determine nosso caráter. Não somos santas, não somos putas, somos pessoas com desejos.

Querem nos calar, mas não vão mais conseguir. Precisamos de mudanças e de empatia. Precisamos ser ouvidas e precisamos ser ouvidas agora. Nossos discursos e até nossas falas que muitas vezes foram deslegitimados, inúmeras vezes não garantiram a escuta de outras vozes. Mas precisamos ser ouvidas e precisamos ser ouvidas agora.

11781674_675962852537657_435495136907780461_n
Vamos juntas?

É o medo que os move. O que nos move tem que ser a coragem e a justiça em lutar pelo que é certo

Aquele tipo de texto difícil de escrever porque suas mãos ainda estão tremendo.

Eu só queria ir pra casa depois de uma longa espera no pronto atendimento. Pegar o ônibus, ir pra casa.

Entrei no tubo, o ônibus veio logo, estava cheio, horário de pico, mas sabem como é CENTENÁRIO/CAMPO COMPRIDO sempre tem espaço pra mais um.

Me ajeitei no cantinho, segurei a bolsa e só pensei na hora que ia poder tirar essa bota quente, pois Curitiba não decide quantas estações vai fazer em um dia.

Mas não é fácil assim, ir pra casa não é fácil assim. Se você é mulher e precisa pegar um ônibus lotado, com certeza, não vai ser fácil chegar em casa.

Guardei o celular na bolsa e foi então que eu percebi que ele estava ali. Parado bem nas minhas costas, aproveitando de cada curva para se esfregar em mim. Tentei dar um passo pra frente mas ele acompanhou, continuando encostado. Não bastasse ele começou a respirar muito forte por cima do meu ombro, chegando a gemer baixinho. Tentei empurra-lo com o cotovelo, ir para outro lugar, mas não tinha jeito. Ele continuou ali, se esfregando e gemendo. Precisei descer no tubo que seguia, mesmo não sendo o meu. Antes de sair o empurrei e disse a ele que era um velho nojento e deveria se envergonhar de agir desse modo em qualquer lugar que seja.

Ao descer percebi que ele não havia apenas se encostado e insinuado, ele havia ejaculado na minha saia, e então eu desabei.

Agora, chegando em casa, não estou feliz por tirar essas botas quentes. Agora, chegando em casa, estou limpando de mim mais um dia difícil de se chegar em casa.

Eu não quero mais ligar pra minha mãe chorando, eu não quero mais ter medo de andar na rua, eu não quero mais me culpar por ser a vítima, eu não quero mais ter que pensar no tamanho da minha saia antes de sair de casa, eu não quero ter que limpar a sujeira dos outros.

Desculpem o texto e a imagem, mas eu tô cansada, irritada e triste, e se eu tivesse a opção desejaria nunca ter que falar sobre essas coisas. Desejaria que essas coisas nunca acontecessem.

8d4e8320-bf07-4028-a736-e84c8cbef351

Por Grazi Oliveira, que também teve seu perfil denunciado, porque uma mulher calada é bem mais aceita pela sociedade.

Por Jessica Beauvoir, moderadora d’O Gato e o Diabo.